Blogue de Células Estaminais

Se procura uma opinião especializada e transparente sobre
as células estaminais, agora poderá seguir aqui o blogue da
Dra. Alexandra Machado, uma das mais conceituadas
especialistas em criopreservação de células estaminais
em Portugal.

Resultados positivos de tratamento de doente tetraplégico com células estaminais

Um doente tetraplégico recuperou parte da mobilidade dos membros superiores após participar num ensaio clínico que pretende testar a administração de células estaminais neurais no tratamento de doentes com lesões na coluna cervical. Em dezembro (de 2015) publicámos os resultados preliminares deste ensaio clínico promovido pela empresa StemCells Inc., em que, numa primeira fase, um grupo de 6 doentes foi tratado com células estaminais neurais administradas na espinal medula, na região da lesão. Mickael Fraser, de 24 anos, foi um dos 4 doentes que recuperaram alguma força e mobilidade dos membros superiores após a administração das células. Três anos antes, este jovem tinha ficado tetraplégico na sequência de um acidente de viação. Em abril do ano passado foi incluído no ensaio clínico tendo sido submetido … Continuar a ler

Células Estaminais Mesenquimais do Cordão Umbilical no Tratamento de Artrite Idiopática Juvenil

A artrite idiopática juvenil (AIJ), também conhecida como artrite reumatoide juvenil, é o tipo mais comum de artrite em crianças com idades inferiores a 16 anos. A AIJ provoca dores persistentes nas articulações, edema e rigidez e, devido à falta de tratamento eficaz, pode provocar complicações graves, como problemas no crescimento e inflamação ocular. Os objetivos principais do tratamento da AIJ são: reduzir a dor, suprimir o processo inflamatório e evitar lesões nas articulações. As células estaminais mesenquimais (MSC) têm um elevado potencial para a medicina regenerativa, dado que se conseguem diferenciar em múltiplas linhagens celulares (incluindo células do osso e da cartilagem, entre outras), têm elevada capacidade de migração e são capazes de regular a atividade do sistema imunitário e a reparação de tecidos … Continuar a ler

Células estaminais no tratamento da diabetes tipo 1 – resultados em modelos animais

Células estaminais no tratamento da diabetes tipo 1. A diabetes afeta mais de 300 milhões de pessoas em todo o mundo. Em Portugal, estima-se que exista mais de 1 milhão de indivíduos com a doença, sendo que cerca de 10% serão doentes com diabetes tipo 1. Na diabetes tipo 1 existe uma incapacidade de produção de insulina pelas células β. Embora seja difícil estabelecer a etiologia, sabe-se que pode ser de origem autoimune, infeciosa, iatrogénica, etc. A insulina é indispensável para regular os níveis de açúcar no sangue. Os doentes passam a necessitar de injeções diárias de insulina, sem as quais não poderiam sobreviver. No sentido de desenvolver estratégias mais eficazes no tratamento desta doença, vários estudos têm sido desenvolvidos. Neste contexto, em 2014, um … Continuar a ler

Células estaminais da medula óssea no tratamento da Esclerose Lateral Amiotrófica – Resultados de dois ensaios clínicos

Foram recentemente publicados na revista JAMA Neurology os resultados de dois ensaios clínicos, de fase 1/2 e fase 2a, que envolvem a utilização de células estaminais mesenquimais para o tratamento de Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA).   A esclerose lateral amiotrófica (ELA), também designada de Doença de Lou Gehrig, é uma doença neurodegenerativa progressiva. Nesta doença os neurónios motores morrem precocemente, deixando de enviar mensagens aos músculos, que vão deixando de funcionar. Os doentes vão por isso perdendo a mobilidade, a capacidade de falar e de comer, até que, eventualmente, os músculos que controlam a respiração deixam de funcionar. A insuficiência respiratória é a principal causa de morte nestes doentes, sendo a esperança média de vida de 2 a 5 anos. A ELA afeta cerca de … Continuar a ler

Novo produto baseado em células estaminais de tecido adiposo para tratamento de anemia aplástica, aprovado para ensaios clínicos

A Regen Biopharma, Inc, – uma empresa de biotecnologia americana, acaba de receber autorização da U.S. Food and Drug Administration (FDA) para iniciar a investigação de um novo produto baseado em células estaminais autólogas de tecido adiposo (HemaXellerate) em doentes com anemia aplástica. O HemaXellerate é um tratamento personalizado que utiliza células estaminais de tecido adiposo do abdómen do próprio doente para tratar anemia aplástica ou outras doenças medulares. O tecido adiposo do doente é processado de forma a extrair células com capacidade de induzir a regeneração da medula óssea e restaurar a sua capacidade de produzir células sanguíneas saudáveis. Com base nos resultados positivos obtidos em modelos animais, o HemaXellerate recebeu parecer positivo para ser testado em doentes com anemia aplástica. A anemia aplástica … Continuar a ler

Células estaminais com potencial para tratamento de lesões na coluna cervical – Resultados preliminares de um ensaio clínico

Uma grande parte das lesões da coluna vertebral ocorrem na região cervical, resultando na perda de controlo dos movimentos dos membros superiores e inferiores, muitas vezes de forma permanente. A possibilidade de recuperar algum controlo dos movimentos dos braços pode melhorar de forma significativa a qualidade de vida destes doentes e garantir-lhes alguma independência. A empresa StemCells Inc. (empresa de biotecnologia sediada nos Estados Unidos da América) divulgou recentemente os resultados preliminares de um ensaio clínico de fase II, cujo objetivo é avaliar a segurança e eficácia da utilização de células estaminais neurais no tratamento de doentes com lesões na coluna cervical, com perda total dos movimentos dos membros superiores e inferiores. Numa primeira fase do ensaio clínico, os investigadores trataram um pequeno grupo de … Continuar a ler

Reconstrução craniana utilizando impressão 3D e células estaminais mesenquimais

Um grupo de investigadores da Austrália irá iniciar no próximo ano um ensaio clínico com o objetivo de reconstruir partes do crânio utilizando impressão 3D e células mesenquimais. Qualquer lesão ou defeito no crânio é muito difícil de reparar de forma eficaz. Sempre que uma parte do crânio tem que ser removida (por exemplo: para aliviar a pressão na sequência de um traumatismo; ou, para realizar uma cirurgia), esta é armazenada num congelador para ser reimplantada mais tarde. No entanto, é frequente ocorrerem infeções ou a reabsorção do osso. Em alternativa, podem ser implantadas placas de titânio, cerâmica ou plástico. Esta última estratégia também é utilizada na sequência de um traumatismo em que uma parte do crânio ficou muito danificada, não podendo ser reutilizada. Mas, … Continuar a ler

Células estaminais do sangue do cordão umbilical com potencial para o tratamento da doença de Alzheimer

A doença de Alzheimer é a forma mais comum de demência, afetando milhões de indivíduos em todo o mundo. A prevalência desta doença está a aumentar consideravelmente acreditando-se que poderá afetar mais de 100 milhões de pessoas em 2050. É uma doença neurodegenerativa (em que ocorre morte de neurónios) que provoca a perda progressiva e irreversível de várias funções cognitivas (memória, atenção, linguagem, entre outras), dificultando a realização das atividades diárias da pessoa afetada, e para a qual não existe cura. Alguns estudos prévios em modelos animais de doença de Alzheimer demonstraram que as células estaminais de sangue do cordão umbilical (SCU) podem reverter os sintomas da doença, melhorando a capacidade cognitiva desses animais. No entanto é fundamental compreender como estas células atuam, verificando se … Continuar a ler

Transplante de células estaminais protege ossos nos doentes com lúpus

O lúpus eritematoso sistémico, mais conhecido como lúpus, é uma doença autoimune que afeta principalmente a pele, as articulações, os rins e o cérebro, podendo no entanto afetar outros órgãos. Os doentes com lúpus sofrem de fadiga, dores nas articulações e edemas, apresentado ainda um risco marcadamente aumentado de desenvolver osteoporose, como consequência do tratamento com fármacos imunossupressores. Ensaios clínicos têm demonstrado que o transplante de células estaminais mesenquimais pode melhorar consideravelmente a condição destes doentes ajudando a reduzir o risco de osteoporose, não tendo ainda esclarecido o mecanismo através do qual este tratamento funciona. Recentemente, recorrendo a um modelo animal de lúpus, investigadores descobriram um mecanismo através do qual os transplantes de células estaminais podem ajudar a preservar os ossos de doentes com lúpus. … Continuar a ler

Live Chat