Blogue de Células Estaminais

Se procura uma opinião especializada e transparente sobre
as células estaminais, agora poderá seguir aqui o blogue da
Dra. Alexandra Machado, uma das mais conceituadas
especialistas em criopreservação de células estaminais
em Portugal.

Obtenção de retina em laboratório utilizando células estaminais pluripotentes induzidas

Foi recentemente publicado um estudo, na revista Nature Communications, que descreve o desenvolvimento, em laboratório, de uma estrutura tridimensional semelhante ao tecido da retina, que inclui fotoreceptores capazes de responder a estímulos luminosos (o primeiro passo no processo de conversão de estímulos em imagens visuais). A retina é o tecido do olho responsável pela formação das imagens, convertendo o que vemos em impulsos eléctricos que são enviados para o cérebro através do nervo óptico. É um tecido complexo constituído por sete tipos de células (dos quais seis são neurónios), que estão organizadas em camadas que absorvem e processam os estímulos visuais que são enviados para o cérebro. A deterioração deste tecido é frequentemente responsável por problemas de visão ou cegueira. Neste estudo, um grupo de … Continuar a ler

Ensaio clínico com células mesenquimais em doentes com diabetes tipo 2

Os resultados preliminares de um ensaio clinico de fase 1/2 para avaliar os efeitos da infusão de células percursoras mesenquimais em doentes com diabetes tipo 2 foram recentemente apresentados no 74º congresso anual da Associação Americana de Diabetes (o maior congresso de diabetes em todo o mundo). A diabetes caracteriza-se pelo aumento anormal dos níveis de açúcar (glucose) no sangue. A diabetes tipo 2 é o tipo mais frequente de diabetes, tendo uma elevada incidência. Estima-se que, em Portugal, 1 em cada 10 indivíduos tem diabetes tipo 2. Este tipo de diabetes  é mais frequente em adultos, estando associado com um estilo de vida mais sedentário, erros alimentares e excesso de peso. Na diabetes tipo 2 o pâncreas produz insulina (a hormona que regula os … Continuar a ler

Vacinas de células dendríticas – O que são?

Actualmente, os tratamentos para combater tumores incluem, cirurgia, quimioterapia, radioterapia e imunoterapia. O objectivo desta última estratégia consiste em activar o sistema imunitário do próprio doente para combater o tumor. Neste contexto, desde meados dos anos 90, as células dendríticas (DCs) têm sido utilizadas em ensaios clínicos no desenvolvimento de vacinas para tratar doentes com cancro. Vários ensaios clínicos de fase 1 demonstraram a segurança da imunoterapia baseada em DCs. No entanto, muito cepticismo tem sido demonstrado devido à incerteza da sua eficácia clinica, pois apenas alguns doentes respondem de forma efectiva. As células dendríticas são células do sistema imunitário com um papel essencial na regulação da imunidade. As DCs são os “vigilantes” do sistema imunitário, deslocando-se por todos o organismo, procurando continuamente a presença … Continuar a ler

Reviravolta nas células STAP

No final de Janeiro uma investigadora japonesa, Haruko Obokata, publicou dois artigos na conceituada revista científica Nature, em que descrevia uma nova técnica que permitia transformar células adultas em células pluripotentes, isto é, semelhantes às estaminais embrionárias. Estes trabalhos despertaram desde logo um grande interesse, não só por parte da comunidade científica mas também do público em geral, devido ao grande potencial destas células em medicina regenerativa. As células denominadas STAP (Stimulus-Triggered Acquisition of Pluripotency) foram apresentadas como células pluripotentes induzidas em resposta a estímulos. Estes estímulos consistiam em “stresses” simples e transitórios, como a exposição a um meio mais ácido. Sem a necessidade de manipular geneticamente as células, prometiam-se grandes avanços nas terapias celulares regenerativas personalizadas. Por analogia ao que Haruko Obokata descrevia em … Continuar a ler

Primeira transfusão com sangue produzido a partir de células estaminais poderá ser realizada já em 2016

Anualmente são realizadas mais de 90 mil transfusões sanguíneas em todo o mundo, no entanto este é um serviço que depende de dádivas que, na maioria dos países, são insuficientes para satisfazer as necessidades. Acresce a esta limitação, os riscos de infecções, a possibilidade de incompatibilidade com o sistema imunitário do receptor e o risco de se exceder os níveis de ferro. O desenvolvimento de sangue artificial em laboratório seria um marco importante, para ultrapassar estas limitações podendo apresentar também outras vantagens clinicas pois forneceria células frescas e mais jovens, que poderiam sobreviver mais tempo e ser mais eficazes. Para colmatar esta necessidade, investigadores do Reino Unido e da Irlanda formaram um consórcio com o objectivo de desenvolver sangue artificial a partir de células estaminais. … Continuar a ler

Pele produzida em laboratório a partir de células estaminais humanas

A epiderme (a camada externa da pele) forma uma barreira protectora entre o corpo e o ambiente externo, impedindo a saída de água e a entrada de micróbios e toxinas. As tentativas de reproduzir uma estrutura semelhante em laboratório, quer para substituir os modelos animais nos testes a medicamentos e cosméticos, quer para o estudo de patologias associadas à pele, não tem tido sucesso até ao momento. Um grupo de investigadores do King’s College London e do San Francisco Veteran Affairs Medical Center (SFVAMC) conseguiu produzir uma camada de epiderme em laboratório. Esta apresenta características funcionais semelhantes à epiderme real. O estudo, publicado na revista Stem Cell Reports, descreve a utilização de células estaminais pluripotentes induzidas (iPSC) humanas para produzir queratinócitos (as células predominantes na … Continuar a ler

Ensaio clinico investiga a aplicação de células percursoras mesenquimais para regeneração de discos intervertebrais e apresenta resultados preliminares promissores

Foram recentemente apresentados os resultados preliminares de um ensaio clinico com células mesenquimais percursoras para tratar doentes com lombalgia crónica associada a doença discal degenerativa. A lombalgia (dor nas costas) é uma das principais queixas apresentadas em consultas médicas em todo o mundo. São várias as causas para esta condição, mas um diagnóstico comum é a degeneração dos discos intervertebrais. Os tratamentos mais frequentes incluem fisioterapia e medicação, mas em casos mais graves a única alternativa é a cirurgia. A empresa Norte Americana Mesoblast, com foco na área da medicina regenerativa, desenvolveu um produto a partir de células percursoras mesenquimais alogénicas (MPCs) que demonstrou, em estudos pré-clínicos, ser capaz de reparar a estrutura dos discos intervertebrais. Com base nesses estudos, foi iniciado há um ano … Continuar a ler

A regeneração celular pode aliviar os sintomas da doença de Alzheimer

A Doença de Alzheimer é a doença neurodegenerativa com maior prevalência em todo o mundo. O sintoma mais conhecido desta doença é a perda de memória, mas esta doença também afecta o comportamento e as capacidades cognitivas e motoras. Um grupo de investigadores da Universidade de Tel Aviv publicou recentemente um estudo, realizado em ratinhos, onde demonstram que ao estimular a regeneração de células neuronais (neurogénese), na região do cérebro que controla o comportamento, alguns sintomas da doença diminuem significativamente, ou são mesmo revertidos. Estes investigadores acreditam que a neurogénese poderá ser um alvo terapêutico para aliviar os problemas de comportamento em doentes com Alzheimer. Para testar essa hipótese, e utilizando ratinhos com sintomas semelhantes aos da Doença de Alzheimer, injectaram, na região do cérebro … Continuar a ler

Aprovado um ensaio clínico com células estaminais do cordão umbilical para tratar Esclerose Múltipla

Foi recentemente aprovado um ensaio clínico de fase I/II para utilização de células estaminais mesenquimais de cordão umbilical para tratar a esclerose múltipla. Este ensaio, a decorrer no Panamá, encontra-se registado no site www.clinicaltrials.gov com o número NCT02034188, e está a recrutar doentes entre os 18 e os 55 anos. A Esclerose Múltipla é uma doença auto-imune (isto é, as células imunológicas defensoras contra agentes nocivos atacam as células do próprio organismo) que afecta mais de 2,5 milhões de pessoas em todo o mundo. Caracteriza-se por uma inflamação crónica do sistema nervoso central, interferindo com a capacidade de controlar funções como a visão, o equilíbrio, a capacidade de andar ou de controlar a bexiga e os intestinos, entre outras. As células estaminais mesenquimais isoladas de … Continuar a ler

Cura para a calvície pode estar nas células estaminais

De acordo com a Academia Americana de Dermatologia, o tipo mais comum de ausência de cabelo, ou alopecia, é a perda de cabelo hereditária que afeta cerca de 80 milhões de homens e mulheres nos EUA. Atualmente os tratamentos para a perda de cabelo hereditária, também conhecida como calvície, incluem o recurso a transplantes de cabelo, uso de certos medicamentos, ou de equipamentos laser capazes de estimular o crescimento do cabelo, entre outros. Segundo um estudo recente, publicado na revista Nature Communications, foram pela primeira vez utilizadas células estaminais epiteliais humanas para regenerar folículos pilosos em ratinhos. Os investigadores adicionaram três genes a células epiteliais humanas, conhecidas como fibroblastos dérmicos, convertendo-as eficazmente em células estaminais pluripotentes induzidas (iPSCs), a partir das quais é possível obter … Continuar a ler

Live Chat