Blogue de Células Estaminais

Se procura uma opinião especializada e transparente sobre
as células estaminais, agora poderá seguir aqui o blogue da
Dra. Alexandra Machado, uma das mais conceituadas
especialistas em criopreservação de células estaminais
em Portugal.

Medicamentos produzidos a partir de células estaminais

As células estaminais são extraordinariamente promissoras para o tratamento de várias doenças. Nos últimos anos registaram-se grandes avanços no tratamento de doenças graves do sangue e do sistema imunitário com células estaminais hematopoiéticas (medula óssea, sangue periférico e sangue do cordão umbilical). Estes avanços mostram quão poderosas podem ser as terapias com células estaminais. Cientistas de todo o mundo usam células estaminais para saber mais sobre como diagnosticar e tratar várias doenças, e esta investigação está a levar-nos mais perto de novos tratamentos. São vários os potenciais tratamentos que se encontram em estudo em modelos animais, outros em fase de ensaios clínicos em humanos e outros ainda deram já origem a medicamentos com base em células estaminais. São exemplo disso o Prochymal®, produzido pela Osiris, … Continuar a ler

Uma fonte de informação para pais sobre o sangue do cordão umbilical

O site Parent’s Guide to Cord Blood Foundation tem como principal missão fornecer aos pais informação relevante e isenta sobre tratamentos e opções de armazenamento de sangue do cordão umbilical. Neste site é possível encontrar as razões a favor e contra o armazenamento de sangue do cordão umbilical, as diferenças entre doação de sangue do cordão umbilical para um banco público e o armazenamento em bancos familiares e as acreditações/certificações que os bancos de sangue do cordão umbilical devem ter para assegurar o melhor desempenho da sua atividade e permitirem uma maior confiança por parte dos Pais. Para além disso, Parent’s Guide to Cord Blood Foundation analisa os novos desenvolvimentos na investigação médica que podem permitir o alargamento do uso clínico do sangue do cordão … Continuar a ler

Progressos na investigação com células estaminais poderão permitir avanços no tratamento de distrofias musculares

Uma colaboração científica liderada pela parceria entre a Universidade Pierre e Marie Curie e o INSERM (Institut National de la Santé et de la Recherche Médicale) tem gerado avanços significativos no tratamento de distrofias musculares, centrando a investigação em células estaminais musculares. As distrofias musculares são um grupo de doenças genéticas que conduzem progressivamente à fraqueza muscular e à morte de células do tecido muscular. Investigadores de um projeto financiado pela UE, o projeto ENDOSTEM, estudam terapias com células estaminais cardíacas para reparação e regeneração do tecido muscular. O projeto ENDOSTEM centra-se nas células estaminais musculares cardíacas e respetivos efeitos cardíacos da distrofia muscular, a qual enfraquece o músculo cardíaco, impedindo-o de bombear eficientemente o sangue. Os resultados desta investigação permitem um melhor entendimento das … Continuar a ler

Transplantação de Células Estaminais: Sangue do Cordão Umbilical ou Sangue Periférico Mobilizado/Medula Óssea de dador não relacionado?

Dois estudos recentes sobre transplantação hematopoiética com amostras de dadores não relacionados (i. e., não familiares) demonstram resultados semelhantes entre o uso de sangue do cordão umbilical (SCU) e de sangue periférico mobilizado (SPM)/ medula óssea (MO). Os resultados sugerem que o SCU é uma alternativa viável ao uso de SPM/MO nos transplantes hematopoiéticos para o tratamento de doenças do foro hemato oncológico. Num dos estudos1 foram analisados doentes adultos com linfoma de Hodgkin, linfoma não Hodgkin e leucemia linfocítica crónica que receberam transplante alogénico de dador não relacionado, tendo sido utilizadas células estaminais de SCU ou de SPM, após terem sido submetidos a um regime de quimioterapia de intensidade reduzida. Após transplante de SCU, a recuperação foi mais lenta mas o desenvolvimento de doença … Continuar a ler

O processamento das amostras de sangue do cordão umbilical

No laboratório, o processamento das amostras de sangue do cordão umbilical compreende vários passos, sendo a amostra criopreservada no mesmo dia em que é recebida no laboratório. Depois de verificada toda a documentação necessária, os técnicos processam a amostra no laboratório, começando por pesá-la, para perceber, pela quantidade de sangue colhido, se é possível criopreservá-la com sucesso. Abaixo de um determinado volume de sangue, a amostra não será viável, por não ter quantidade suficiente de células para transplante. A amostra passa, depois, pela separação dos componentes sanguíneos. Desse processo de separação resultam três fracções principais; na mais pequena encontram-se os glóbulos brancos e as células estaminais que importa criopreservar para futura utilização clínica; as restantes são constituídas pelo plasma e pelos glóbulos vermelhos; uma parte … Continuar a ler

Importância das acreditações internacionais para a elegibilidade de utilização das amostras no estrangeiro

São duas as entidades a nível mundial que estabelecem e definem critérios de qualidade específicos para o processamento e armazenamento de células estaminais do cordão umbilical: a Associação Americana de Bancos de Sangue (AABB – American Association of Blood Banks) e a Foundation for the Accreditation of Cellular Therapy (FACT). A acreditação de um banco pela AABB certifica que os processos desse banco se apresentam em conformidade com as normas estabelecidas pela AABB no que diz respeito às fases de recolha, processamento, criopreservação, análise e distribuição das células estaminais do sangue do cordão umbilical. Esta acreditação representa a mais importante distinção ao nível da qualidade que um laboratório de criopreservação de células estaminais pode obter. Para a conquistar os bancos de criopreservação têm que obedecer … Continuar a ler

Transplante de sangue do cordão umbilical guardado num banco familiar entre irmãos num caso de Anemia de Diamond Blackfan

Foi recentemente noticiado em Espanha, o primeiro caso de transplante de sangue do cordão umbilical armazenado num banco familiar para tratar uma criança de 4 anos com Anemia de Diamond-Blackfan (ADB). A Anemia de Diamond-Blackfan é uma doença congénita que impede a medula óssea de produzir glóbulos vermelhos, as células responsáveis pelo transporte de oxigénio a todas as partes do corpo. O menino, de 4 anos de idade, foi transplantado com o sangue do cordão umbilical de uma irmã, para tratar a Anemia de Diamond-Blackfan de que padecia. O transplante foi realizado no passado mês de Abril no Hospital del Niño Jesús, em Madrid, tendo sido o primeiro transplante realizado em Espanha para tratar esta doença com recurso a uma amostra de sangue do cordão … Continuar a ler

Transplantes de células estaminais utilizados para eliminar infeção VIH/SIDA

Foi recentemente noticiado que dois homens com infeção VIH/SIDA podem ter sido curados desta infeção após receberem transplantes de células estaminais para tratar o linfoma de que também padeciam. Um destes homens recebeu o transplante há três anos e o outro há cinco. Em Julho passado, os médicos anunciaram que os dois homens pareciam estar sem níveis detetáveis de VIH no sangue. Apesar disso, os médicos advertem ser ainda muito cedo para saber se ficaram curados. Para isso, eles terão de ser seguidos por, pelo menos, mais um ou dois anos, pois o vírus pode estar alojado em “reservatórios”, isto é, partes do corpo como o cérebro ou o intestino, que podem “abrigar” o vírus durante décadas. Ainda assim, médicos e investigadores estão muito entusiasmados … Continuar a ler

Criopreservação – A importância da quantidade de células guardadas

O conteúdo celular é a característica mais importante para a futura aplicação clínica das amostras de sangue do cordão umbilical disponíveis. Para que um transplante hematopoiético seja realizado é requerida uma quantidade mínima de células de acordo com o peso corporal do doente a quem se destina. Para além do peso do doente, o número de células estaminais a infundir depende também do grau de compatibilidade entre o dador e o doente. É consensual que um maior número de células está positivamente relacionado com as probabilidades de sucesso do transplante. Diversos estudos mostram uma correlação entre a quantidade de células infundidas no transplante e o sucesso do mesmo. Para além disso, uma amostra de sangue do cordão umbilical com um maior número de células pode … Continuar a ler

Vale a pena guardar as células estaminais do segundo filho?

Quando chega a segunda gravidez, a maioria dos pais que optou por criopreservar a amostra de sangue do cordão umbilical (SCU) do primeiro filho, pondera se será necessário guardar também a amostra do segundo. É importante que os pais saibam que a nova amostra de SCU poderá ser útil quer para o próprio quer para um irmão desta criança. São vários os exemplos de casos de crianças que foram transplantadas com amostras de SCU de irmãos. O primeiro transplante de SCU foi realizado em 1988, em França, para tratar uma criança de 5 anos com Anemia de Fanconi (doença congénita causada por uma deficiência na medula óssea que impede a produção de células sanguíneas normais) com uma amostra de SCU de uma irmã compatível. O … Continuar a ler

Live Chat