Blogue de Células Estaminais

Se procura uma opinião especializada e transparente sobre
as células estaminais, agora poderá seguir aqui o blogue da
Dra. Alexandra Machado, uma das mais conceituadas
especialistas em criopreservação de células estaminais
em Portugal.

Ensaio clínico em doentes com incapacidade motora após traumatismo crânio-encefálico – recrutado primeiro doente

Foi recentemente anunciado o recrutamento do primeiro doente para um ensaio clínico destinado a doentes com traumatismo crânio-encefálico (TCE). O ensaio clínico tem como objetivo estudar a segurança e eficácia de uma terapia com células mesenquimais alogénicas modificadas geneticamente no tratamento de doentes com incapacidade motora crónica na sequência de um TCE. Anualmente milhares de indivíduos em todo o mundo sofrem um TCE em consequência de uma queda, um acidente de viação, ferimento com armas, lesões desportivas, entre outros. Muitos destes TCE originam lesões cerebrais graves, causando danos quer a nível cognitivo quer a nível motor, resultando, neste último caso, em incapacidade motora permanente. Apesar das causas dos TCE e dos acidentes vasculares cerebrais (AVC) serem diferentes, as manifestações clínicas são semelhantes, nomeadamente, ambos podem … Continuar a ler

Células estaminais do sangue do cordão umbilical com potencial para o tratamento da dermatite atópica – Resultados de um ensaio clínico

Resultados de um ensaio clínico sugerem que as células estaminais mesenquimais de sangue do cordão umbilical (SCU-MSC) poderão constituir uma terapêutica eficaz no tratamento da dermatite atópica. A dermatite atópica, também conhecida como eczema atópico, é uma inflamação crónica nas camadas superficiais da pele que é acompanhada de prurido (comichão), secura da pele e lesões descamativas. Esta patologia ocorre em cerca de 20 % das crianças e 3 a 10 % dos adultos. Os tratamentos atuais têm-se revelado ineficazes em alguns doentes, apresentando vários riscos, existindo por isso a necessidade de desenvolver uma terapêutica segura e eficaz. Neste contexto, foram recentemente publicados na revista Stem Cells os resultados de um ensaio clínico com o objetivo de avaliar a segurança e eficácia de uma infusão alogénica … Continuar a ler

Pele com glândulas sebáceas e folículos pilosos produzida em laboratório a partir de células estaminais

Foi recentemente publicado um artigo na revista Science Advances, no qual um grupo de investigadores demonstra ter transplantado com sucesso em ratinhos pele produzida em laboratório que possui glândulas sebáceas (glândulas responsáveis pela libertação de uma mistura de lípidos destinada a proteger, impermeabilizar e lubrificar a superfície da pele) e folículos pilosos (estrutura da pele responsável por produzir pelo). A pele forma uma barreira protetora entre o corpo e o ambiente externo, impedindo a saída de água e a entrada de micróbios e toxinas. Para além da função de barreira, a pele é também responsável pela regulação da temperatura corporal e pela libertação de resíduos. A reprodução de uma estrutura semelhante em laboratório, que possa ser utilizada para enxerto de pele em pessoas que sofreram … Continuar a ler

Estudo demonstra potencial de células mesenquimais para tratamento da Osteoporose

Foram recentemente publicados, na revista “Stem Cells Translational Medicine”, os resultados de um estudo que demonstra que a administração de células estaminais mesenquimais em modelos animais de osteoporose permite restaurar a estrutura óssea destes. A osteoporose é uma doença óssea que afeta todo o esqueleto. Em todo o mundo, mais de 200 milhões de pessoas sofrem desta doença. Em Portugal, cerca de 800 mil pessoas sofrerão da doença. Existem 2 tipos de osteoporose: a osteoporose tipo I (associada à pós-menopausa) e a osteoporose tipo II (associada à idade) que afeta igualmente homens e mulheres. Na osteoporose tipo II, a estrutura interna do osso diminui, tornando o osso mais fino, menos denso e incapaz de desempenhar corretamente a sua função. Os ossos ficam então frágeis e … Continuar a ler

Células estaminais no tratamento de fístulas associadas à doença de Crohn – resultados intermédios de um ensaio clínico de fase 3

A TiGenix (empresa biofarmacêutica sediada na Bélgica e em Espanha) anunciou recentemente alguns resultados do ensaio clínico de fase 3 que pretende avaliar a segurança e eficácia do Cx601 no tratamento de fístulas complexas associadas à doença de Crohn, num grupo alargado de doentes. A Doença de Crohn é uma doença inflamatória crónica do intestino, que surge com mais frequência entre os 16 e os 40 anos, podendo no entanto afetar qualquer grupo etário. Estima-se que em Portugal, a prevalência desta doença seja de 73 por 100 000 habitantes. As fístulas perianais são umas das complicações que surgem em cerca de 38% dos casos de doença de Crohn, comprometendo a qualidade de vida destes doentes. Estas fístulas resultam da extensão de úlceras através da parede … Continuar a ler

Células estaminais regeneram visão em crianças com cataratas

Estudos descritos utilizaram duas novas estratégias para restaurar a visão em coelhos e em crianças com cataratas congénitas. Foram recentemente publicados 2 artigos na revista Nature que mostram o potencial das células estaminais para regenerar diferentes tecidos do olho. No primeiro estudo, um grupo de investigadores cultivou células iPSCs (induced pluripotent stem cells) humanas in vitro, e conseguiu obter discos de células contendo diferentes camadas de tecidos característicos do olho, mimetizando de certa forma a sua formação. Os autores sugerem que estes discos de células, poderão ser utilizados como modelos para estudar o desenvolvimento dos diferentes tecidos, tanto saudáveis, como de olhos com doenças congénitas, e também que poderão ser usados como fonte de tecidos, tais como lentes ou córneas, para substituição de tecidos danificados. … Continuar a ler

Resultados positivos de tratamento de doente tetraplégico com células estaminais

Um doente tetraplégico recuperou parte da mobilidade dos membros superiores após participar num ensaio clínico que pretende testar a administração de células estaminais neurais no tratamento de doentes com lesões na coluna cervical. Em dezembro (de 2015) publicámos os resultados preliminares deste ensaio clínico promovido pela empresa StemCells Inc., em que, numa primeira fase, um grupo de 6 doentes foi tratado com células estaminais neurais administradas na espinal medula, na região da lesão. Mickael Fraser, de 24 anos, foi um dos 4 doentes que recuperaram alguma força e mobilidade dos membros superiores após a administração das células. Três anos antes, este jovem tinha ficado tetraplégico na sequência de um acidente de viação. Em abril do ano passado foi incluído no ensaio clínico tendo sido submetido … Continuar a ler

Células Estaminais Mesenquimais do Cordão Umbilical no Tratamento de Artrite Idiopática Juvenil

A artrite idiopática juvenil (AIJ), também conhecida como artrite reumatoide juvenil, é o tipo mais comum de artrite em crianças com idades inferiores a 16 anos. A AIJ provoca dores persistentes nas articulações, edema e rigidez e, devido à falta de tratamento eficaz, pode provocar complicações graves, como problemas no crescimento e inflamação ocular. Os objetivos principais do tratamento da AIJ são: reduzir a dor, suprimir o processo inflamatório e evitar lesões nas articulações. As células estaminais mesenquimais (MSC) têm um elevado potencial para a medicina regenerativa, dado que se conseguem diferenciar em múltiplas linhagens celulares (incluindo células do osso e da cartilagem, entre outras), têm elevada capacidade de migração e são capazes de regular a atividade do sistema imunitário e a reparação de tecidos … Continuar a ler

Células estaminais no tratamento da diabetes tipo 1 – resultados em modelos animais

Células estaminais no tratamento da diabetes tipo 1. A diabetes afeta mais de 300 milhões de pessoas em todo o mundo. Em Portugal, estima-se que exista mais de 1 milhão de indivíduos com a doença, sendo que cerca de 10% serão doentes com diabetes tipo 1. Na diabetes tipo 1 existe uma incapacidade de produção de insulina pelas células β. Embora seja difícil estabelecer a etiologia, sabe-se que pode ser de origem autoimune, infeciosa, iatrogénica, etc. A insulina é indispensável para regular os níveis de açúcar no sangue. Os doentes passam a necessitar de injeções diárias de insulina, sem as quais não poderiam sobreviver. No sentido de desenvolver estratégias mais eficazes no tratamento desta doença, vários estudos têm sido desenvolvidos. Neste contexto, em 2014, um … Continuar a ler

Live Chat