Células estaminais do cordão umbilical eficazes no tratamento de doença ocular

A retinite pigmentosa é uma doença ocular de origem genética, habitualmente diagnosticada em adolescentes e adultos jovens, que conduz a uma perda progressiva da visão. Estima-se que afete uma em cada 4 mil pessoas na Europa e mais de um milhão em todo o mundo. Os sintomas começam tipicamente com uma diminuição da visão noturna, geralmente ainda na infância, seguida da perda progressiva de campo visual, inicialmente com perda de visão periférica e depois da visão central, conduzindo eventualmente à cegueira. Esta doença resulta de um processo de degeneração da retina, que é a estrutura do olho responsável por captar as imagens, que são depois transmitidas ao cérebro através do nervo ótico. A retinite pigmentosa não tem cura e dispõe, atualmente, de poucas opções terapêuticas … Continuar a ler

Criança com anemia aplástica grave recupera após transplante de sangue do cordão umbilical

A anemia aplástica é uma doença hematológica rara, que pode ser fatal se não for tratada atempadamente. Nesta doença, o sistema imunitário ataca e destrói as células estaminais da medula óssea, responsáveis pela produção das células do sangue e do sistema imunitário, deixando o doente anémico e vulnerável a infeções e hemorragias. Para além dos casos associados a uma predisposição genética para desenvolver a doença, sabe-se que esta pode ser despoletada, por exemplo, pela exposição a quimio ou radioterapia. No entanto, em grande parte dos casos, não é possível identificar a sua causa. Nos casos mais graves, em que não é possível controlar a doença com agentes imunossupressores, o tratamento passa pela realização de um transplante hematopoiético (transplante de células estaminais hematopoiéticas, formadoras das células … Continuar a ler

Bebés com doença cardíaca recebem tratamento experimental com sangue do cordão umbilical

Um estudo, conduzido nos EUA, concluiu que a aplicação de células do sangue do cordão umbilical no coração de bebés com síndrome da hipoplasia do coração esquerdo é segura, estando já planeado outro ensaio clínico para testar a eficácia desta metodologia num conjunto alargado de doentes. A síndrome da hipoplasia do coração esquerdo é uma doença cardíaca congénita rara, em que o lado esquerdo do coração se encontra gravemente subdesenvolvido. É possível detetar esta malformação por ecografia durante a gravidez, estando previstas três cirurgias corretivas nos primeiros anos de vida, com vista a garantir o funcionamento do coração. A primeira cirurgia é realizada nos primeiros dias ou semanas de vida, a segunda por volta dos 4 meses e a terceira entre os 2 e os … Continuar a ler

Tratamento inovador com células estaminais para Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica

Foram recentemente publicados os resultados de um estudo pioneiro, que utilizou células estaminais do cordão umbilical para tratar Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC). Os resultados são promissores, com melhoria de vários indicadores do bem-estar dos doentes. A DPOC caracteriza-se pela obstrução das vias aéreas e aparece, geralmente, como consequência de hábitos tabágicos. À medida que a doença vai progredindo, as trocas gasosas nos pulmões vão ficando cada vez mais dificultadas, conduzindo ao aparecimento de insuficiência respiratória. Falta de ar, tosse com expetoração e cansaço são algumas das queixas mais comuns dos doentes com DPOC. Em casos graves, podem mesmo sentir-se cansados ao realizar atividades simples do dia-a-dia, como vestir-se ou falar. Para além da cessação tabágica, o controlo da DPOC inclui o recurso a corticosteroides, … Continuar a ler

Crianças com paralisia cerebral melhoram após tratamento com células estaminais

Um estudo que avaliou a eficácia do tratamento de paralisia cerebral com células estaminais do cordão umbilical obteve resultados favoráveis em crianças até aos 12 anos. As melhorias observadas poderão ser atribuídas ao potencial anti-inflamatório e regenerativo destas células. A paralisia cerebral é geralmente causada por lesões neurológicas ocorridas durante a gestação ou na altura do nascimento. Atualmente, estima-se que afete cerca de 2 em cada 1.000 recém-nascidos, sendo a principal causa de incapacidade na infância. Para além das dificuldades motoras e posturais, as crianças com paralisia cerebral podem ainda apresentar dificuldades cognitivas e alterações da visão e da audição. As abordagens terapêuticas atuais dirigem-se à melhoria da postura, controlo do movimento e autonomia da criança, não atuando na lesão cerebral subjacente. A sua eficácia … Continuar a ler

Terapia celular – Uma alternativa terapêutica emergente para Perturbações do Espectro do Autismo

As Perturbações do Espectro do Autismo (PEA) compreendem um conjunto de transtornos do desenvolvimento infantil caracterizados por défices na comunicação e interação social e pela presença de interesses restritos e comportamentos repetitivos. Ao longo das últimas décadas, a incidência de autismo tem vindo a aumentar em todo o mundo, atingindo atualmente cerca de 60 em cada 10.000 crianças. Em Portugal, estima-se que afete cerca de 1 em cada 1.000 crianças em idade escolar. Os transtornos do espectro autista resultam de alterações no normal desenvolvimento cerebral e, embora não sejam ainda claras as razões que conduzem ao seu aparecimento, vários estudos sugerem que a inflamação ao nível do cérebro desempenha um papel importante nesse processo. As estratégias terapêuticas atuais, nomeadamente medicação e terapia ocupacional, comportamental e … Continuar a ler

Tratamento experimental com células estaminais com resultados promissores em doentes com COVID-19

Um estudo recentemente publicado na revista científica Aging and Disease, mostra que as células estaminais mesenquimais (MSCs, do inglês, Mesenchymal Stem Cells) têm potencial para tratar a COVID-19.  O novo coronavírus (COVID-19), que inicialmente causou um surto da doença em Wuhan, na China, em dezembro de 2019, já se espalhou pelo mundo inteiro, constituindo neste momento uma ameaça global. De acordo com o conhecimento atual, em cerca de 80% dos casos os sintomas desta doença podem ser ligeiros, mas em alguns doentes, a gravidade da COVID-19 pode mesmo conduzir à morte. Um dos mecanismos mais importantes subjacentes à deterioração dos doentes com COVID-19 é a tempestade de citocinas. Tempestade de citocinas é a designação dada à reação imunológica exacerbada que ocorre após um acentuado aumento … Continuar a ler

Cura de segundo doente infetado com vírus da SIDA após transplante de células estaminais hematopoiéticas

Foi recentemente reportada a remissão de um doente infetado com o vírus da SIDA após transplante hematopoiético. Trata-se do segundo caso conhecido de cura de SIDA após transplante de células estaminais hematopoiéticas. As células estaminais hematopoiéticas são capazes de originar todas as células do sangue e sistema imunitário e podem encontrar-se na medula óssea, no sangue periférico mobilizado e no sangue do cordão umbilical. Este doente, designado por paciente de Londres, foi curado do VIH-1 após transplante para o tratamento do linfoma de Hodgkin refratário (estádio IV) de que padecia. Os médicos que têm seguido este doente publicaram na prestigiada revista científica The Lancet as conclusões relativas a este caso. Para o transplante a que este doente foi submetido (em 2016) foram utilizadas células estaminais … Continuar a ler

Método inovador trata defeitos na coluna vertebral com células estaminais

Foi reportado, pela primeira vez em humanos, o tratamento de lesões vertebrais, utilizando células estaminais do cordão umbilical numa matriz de hidroxiapatite. O artigo, publicado na revista médica International Journal of Surgery Case Reports, relata o tratamento experimental de uma doente de 27 anos, que se apresentou com dor persistente na região lombar, com consequente limitação dos movimentos. Anteriormente, tinha sido diagnosticada com uma forma pouco comum de tuberculose que afeta a coluna vertebral. Se não for tratada, esta doença causa deformações nas vértebras, com graves repercussões no estado da coluna vertebral, saúde e qualidade de vida dos doentes. Apesar de ter sido corretamente medicada, a doente descontinuou a medicação antes do tempo indicado, tendo como consequência o alojamento, na coluna vertebral, da bactéria responsável … Continuar a ler

Doentes oncológicos de alto risco tratados com sangue do cordão umbilical expandido

Quando os doentes com leucemias, linfomas e outras doenças hemato-oncológicas são referenciados para transplante hematopoiético, pode recorrer-se ao sangue do cordão umbilical como fonte de células estaminais para transplantação. Embora não seja necessário haver compatibilidade total entre as células do sangue do cordão umbilical e o doente, esta deve ser a maior possível, de modo a maximizar as probabilidades de sucesso e reduzir as complicações associadas ao transplante. No entanto, nem sempre as unidades de sangue do cordão umbilical mais compatíveis com um doente correspondem às que têm o número de células mais adequado, outro fator determinante do sucesso destes transplantes. A possibilidade de expandir – ou multiplicar – as células presentes no sangue do cordão umbilical armazenado permite aumentar o número de doentes que … Continuar a ler