Células nervosas do nariz usadas para reparar uma lesão na medula espinal em homem paraplégico

Acaba de ser publicado um artigo na revista Cell transplantation, que descreve a utilização de células nervosas do nariz para reparar uma lesão na medula espinal, num homem de 38 anos que ficou paraplégico em 2010, na sequência de uma facada. Os autores removeram células nervosas do nariz do doente que foram colocadas em cultura durante 12 dias. Essas células foram depois injetadas na medula espinal em vários pontos acima e abaixo da lesão. Durante a cirurgia, os médicos removeram fibras nervosas do tornozelo do doente que fixaram nas duas extremidades da lesão fornecendo um suporte para a regeneração da medula. O doente estava paralisado há cerca de 2 anos e apesar dos exercícios de fisioterapia intensivos não tinha demonstrado qualquer sinal de recuperação. Após … Continuar a ler

Obtenção em laboratório de células produtoras de insulina

A diabetes tipo 1, resulta da destruição das células do pâncreas responsáveis pela produção de insulina (células β).O sistema imunitário do próprio indivíduo, pode estar na origem desta auto-destruição. O transplante de células β é realizado em doentes com diabetes tipo 1, utilizando células de cadáver, no entanto este é um tratamento que não está acessível a muitos doentes. A produção destas células em laboratório em grande escala permitiria disponibilizar este tratamento para milhões de doentes com diabetes tipo1. Já há várias décadas que diversos grupos, um pouco por todo o mundo, se dedicam à obtenção de células β em laboratório que possam ser utilizadas no tratamento da diabetes. Foi recentemente publicado um artigo na revista Cell que descreve a obtenção de células produtoras de … Continuar a ler

Tecidos obtidos em laboratório transplantados com sucesso em humanos

Médicos e cientistas ambicionam que a medicina regenerativa possa constituir um tratamento alternativo para a substituição ou reconstrução de tecidos e orgãos. Muita investigação tem sido desenvolvida nesta área e alguns avanços tem sido publicados, quer em laboratório, quer em humanos. Neste contexto foram publicados dois artigos científicos que revelam grandes avanços na área da medicina regenerativa. Um artigo descreve a reconstrução do Nariz em 5 doentes e outro a reconstrução de vaginas em 4 adolescentes. Integrados num ensaio clinico de fase I, 5 doentes foram submetidos a uma cirurgia de reconstrução do nariz após lhes ter sido removido uma porção deste devido a um cancro de pele. Foram isoladas células do nariz (especificamente do septo nasal) de cada doente, que foram colocadas em cultura … Continuar a ler

Ensaio clínico estuda o potencial das células estaminais para tratamento de lesões do joelho

A osteoartrite (ou artrose) do joelho é uma das condições degenerativas do joelho mais comuns, afetando 3 a 4 % da população global e é, em muitos casos, responsável pelo absentismo e qualidade de vida diminuída. O recurso à cirurgia de substituição do joelho permite recuperar mobilidade, no entanto, como as próteses têm uma duração limitada, obrigam muitas vezes a adiar a intervenção. Nos EUA, são realizadas anualmente cerca de 700 000 cirurgias de substituição do joelho. Com o objectivo de evitar ou adiar o recurso a esta cirurgia, foi iniciado um ensaio clínico para avaliar o potencial de células estaminais da medula óssea no tratamento de lesões do joelho. Este Ensaio Clínico pretende utilizar um procedimento desenvolvido por uma empresa de biotecnologia (o Regenexx … Continuar a ler

A Diabetes afeta a capacidade terapêutica de células estaminais mesenquimais

O potencial terapêutico das células estaminais têm sido demonstrado tanto em laboratório, como em modelos animais e em ensaios clínicos em humanos. No entanto, as células utilizadas nestes estudos são células de indivíduos saudáveis. Poucos são os estudos que avaliam este potencial em células estaminais provenientes de doentes. Contudo, no contexto da medicina regenerativa com células estaminais mesenquimais (MSCs), a utilização autóloga faz todo o sentido. Esse é, por exemplo, o caso da diabetes, onde as MSCs se mostram eficazes no tratamento das complicações associadas a esta doença. Neste contexto, foi recentemente publicado, na revista “Cell Transplantation” um estudo, realizado em ratos, onde foi demonstrado que as MSCs de diabéticos tem menor capacidade terapêutica. Neste estudo, os investigadores induziram diabetes em ratos e isolaram as … Continuar a ler

Células Estaminais em crianças com Autismo – financiado novo ensaio clínico para estudar o potencial do sangue do cordão umbilical

Foi recentemente anunciado o lançamento de um ensaio clínico de fase 1 na Universidade de Duke (EUA) para investigar a segurança da infusão autóloga de sangue do cordão umbilical (SCU) em crianças com perturbações do espectro autista (PEA). De acordo com um relatório recente do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC), o número de crianças norte-americanas com PEA aumentou significativamente para 1 em 68, um aumento de 30% em relação há 2 anos, quando o CDC estimava que 1 em cada 88 crianças tinha uma destas perturbações. Estima-se que cerca de 2 milhões de pessoas nos EUA sofram de uma perturbação do espectro autista. O estudo agora iniciado está aberto a crianças de idades compreendidas entre 24-72 meses, com diagnóstico confirmado de PEA … Continuar a ler

Obtenção de retina em laboratório utilizando células estaminais pluripotentes induzidas

Foi recentemente publicado um estudo, na revista Nature Communications, que descreve o desenvolvimento, em laboratório, de uma estrutura tridimensional semelhante ao tecido da retina, que inclui fotoreceptores capazes de responder a estímulos luminosos (o primeiro passo no processo de conversão de estímulos em imagens visuais). A retina é o tecido do olho responsável pela formação das imagens, convertendo o que vemos em impulsos eléctricos que são enviados para o cérebro através do nervo óptico. É um tecido complexo constituído por sete tipos de células (dos quais seis são neurónios), que estão organizadas em camadas que absorvem e processam os estímulos visuais que são enviados para o cérebro. A deterioração deste tecido é frequentemente responsável por problemas de visão ou cegueira. Neste estudo, um grupo de … Continuar a ler

Ensaio clínico com células mesenquimais em doentes com diabetes tipo 2

Os resultados preliminares de um ensaio clinico de fase 1/2 para avaliar os efeitos da infusão de células percursoras mesenquimais em doentes com diabetes tipo 2 foram recentemente apresentados no 74º congresso anual da Associação Americana de Diabetes (o maior congresso de diabetes em todo o mundo). A diabetes caracteriza-se pelo aumento anormal dos níveis de açúcar (glucose) no sangue. A diabetes tipo 2 é o tipo mais frequente de diabetes, tendo uma elevada incidência. Estima-se que, em Portugal, 1 em cada 10 indivíduos tem diabetes tipo 2. Este tipo de diabetes  é mais frequente em adultos, estando associado com um estilo de vida mais sedentário, erros alimentares e excesso de peso. Na diabetes tipo 2 o pâncreas produz insulina (a hormona que regula os … Continuar a ler

Primeira transfusão com sangue produzido a partir de células estaminais poderá ser realizada já em 2016

Anualmente são realizadas mais de 90 mil transfusões sanguíneas em todo o mundo, no entanto este é um serviço que depende de dádivas que, na maioria dos países, são insuficientes para satisfazer as necessidades. Acresce a esta limitação, os riscos de infecções, a possibilidade de incompatibilidade com o sistema imunitário do receptor e o risco de se exceder os níveis de ferro. O desenvolvimento de sangue artificial em laboratório seria um marco importante, para ultrapassar estas limitações podendo apresentar também outras vantagens clinicas pois forneceria células frescas e mais jovens, que poderiam sobreviver mais tempo e ser mais eficazes. Para colmatar esta necessidade, investigadores do Reino Unido e da Irlanda formaram um consórcio com o objectivo de desenvolver sangue artificial a partir de células estaminais. … Continuar a ler

Ensaio clinico investiga a aplicação de células percursoras mesenquimais para regeneração de discos intervertebrais e apresenta resultados preliminares promissores

Foram recentemente apresentados os resultados preliminares de um ensaio clinico com células mesenquimais percursoras para tratar doentes com lombalgia crónica associada a doença discal degenerativa. A lombalgia (dor nas costas) é uma das principais queixas apresentadas em consultas médicas em todo o mundo. São várias as causas para esta condição, mas um diagnóstico comum é a degeneração dos discos intervertebrais. Os tratamentos mais frequentes incluem fisioterapia e medicação, mas em casos mais graves a única alternativa é a cirurgia. A empresa Norte Americana Mesoblast, com foco na área da medicina regenerativa, desenvolveu um produto a partir de células percursoras mesenquimais alogénicas (MPCs) que demonstrou, em estudos pré-clínicos, ser capaz de reparar a estrutura dos discos intervertebrais. Com base nesses estudos, foi iniciado há um ano … Continuar a ler