Células estaminais mesenquimais melhoram significativamente a reparação de tendões e reduzem o risco de novas lesões em cirurgias do ombro- resultados após 10 anos

Os resultados da injeção de células estaminais mesenquimais em cirurgias ao ombro para reparar lesões de tendões foram recentemente apresentadas no congresso anual da Sociedade Americana de Cirurgiões Ortopédicos.

As patologias associadas aos tendões dos ombros são frequentes, nomeadamente rutura dos tendões da coifa dos rotadores (essenciais para a mobilidade do ombro), e aumentam com a idade, podendo provocar dor e/ou limitação funcional. Este tipo de lesão pode ocorrer durante uma queda ou outro traumatismo, ou resultar do envelhecimento ou uso repetido da articulação, sendo muitas vezes necessário recorrer à cirurgia para reparar essas lesões. No entanto, é vulgar ocorrer uma nova rutura dessas lesões ou o aparecimento de novas lesões.

Um grupo de investigadores franceses realizou um estudo para avaliar o efeito de uma injeção intravenosa de células precursoras mesenquimais em doentes submetidos a cirurgia ao ombro. O estudo contou com a participação de 90 doentes, que foram divididos em 2 grupos de 45 doentes. Um grupo recebeu células estaminais mesenquimais isoladas da medula óssea dos próprios, durante a cirurgia ao ombro para reparar o tendão, e o outro grupo apenas foi submetido à cirurgia. Estes doentes foram depois seguidos durante 10 anos, tendo-se realizado ecografias mensais durante 2 anos e a obtenção de imagens de ressonância magnética aos 3 e 6 meses e, 1, 2 e 10 anos após a cirurgia.

Os investigadores verificaram que 6 meses após a cirurgia, todos os doentes (100%) que receberam células estaminais mesenquimais tinham recuperado das lesões em comparação com apenas 30 (67%) dos doentes que não receberam as células mesenquimais, demonstrando que as células mesenquimais induziram uma melhor recuperação das lesões.

Estes doentes foram acompanhados durante 10 anos, tendo sido observado que 39 (87%) dos doentes que receberam células estaminais mesenquimais continuavam a não apresentar lesões no ombro submetido à cirurgia, e que apenas 20 (44%) dos doentes tratados só com cirurgia não apresentaram lesões. Estes resultados demonstram que a utilização das células mesenquimais diminui significativamente a reabertura das lesões tratadas ou o aparecimento de novas lesões.

Os investigadores verificaram ainda que o aparecimento de lesões nos doentes que receberam células mesenquimais estava associado à dose de células recebidas, tendo surgido lesões nos doentes que receberam menor número de células estaminais mesenquimais.

Estes resultados são muito positivos, sugerindo que a infusão de células estaminais mesenquimais é uma abordagem com potencial a curto e longo prazo no tratamento de rutura de tendões e na redução do índice de aparecimento de novas lesões dos tendões.

Fonte: http://www.aaos-annualmeeting-presskit.org/2015/news_releases/stem_cells.shtml?elq=a367927d2211422a85f8f4eb9f3f8676&elqCampaignId=6&elqaid=12385&elqat=1&elqTrackId=12c77231a056441e9aa35f628d2bf369