Células estaminais no tratamento da diabetes tipo 1 – resultados em modelos animais

Células estaminais no tratamento da diabetes tipo 1. A diabetes afeta mais de 300 milhões de pessoas em todo o mundo. Em Portugal, estima-se que exista mais de 1 milhão de indivíduos com a doença, sendo que cerca de 10% serão doentes com diabetes tipo 1. Na diabetes tipo 1 existe uma incapacidade de produção de insulina pelas células β. Embora seja difícil estabelecer a etiologia, sabe-se que pode ser de origem autoimune, infeciosa, iatrogénica, etc. A insulina é indispensável para regular os níveis de açúcar no sangue. Os doentes passam a necessitar de injeções diárias de insulina, sem as quais não poderiam sobreviver.

No sentido de desenvolver estratégias mais eficazes no tratamento desta doença, vários estudos têm sido desenvolvidos. Neste contexto, em 2014, um grupo de cientistas conseguiu obter células β funcionais a partir de células estaminais embrionárias humanas. Os investigadores procuraram então uma forma de implantar as células no organismo sem que o sistema imunitário as destruísse. Os resultados do estudo foram agora publicados nas revistas Nature Medicine e Nature Biotechnology.

Os autores descrevem que encapsularam as células β num composto capaz de escapar à ação do sistema imunitário dos ratinhos. Este dispositivo contendo células β foi depois implantado em ratinhos aos quais foi previamente induzida diabetes tipo 1. Os implantes foram mantidos nos ratinhos durante 174 dias até serem removidos e analisados.

Os resultados demonstram que as células β implantadas foram capazes de corrigir a glicémia, regulando os níveis de glucose do sangue, durante todo o tempo do estudo. Após a remoção dos implantes foi possível verificar que as células se mantinham viáveis e que o dispositivo não apresentava sinais de ataque pelo sistema imunitário dos ratinhos.

Os investigadores concluíram que esta estratégia permitiu controlar os níveis de glucose em modelos animais de diabetes, sugerindo que estes dispositivos contendo células β têm potencial para tratar doentes diabéticos, libertando-os da necessidade de controlo diário dos níveis de insulina.

Este é de facto um grande avanço na área da diabetes, no entanto será ainda necessário confirmar a sua eficácia em humanos.

Fonte:

http://exameinformatica.sapo.pt/noticias/ciencia/2016-01-26-Tratamento-de-celulas-estaminais-pode-curar-diabetes-tipo-1

http://www.nature.com/articles/nm.4030.epdf?referrer_access_token=3OgPypRuDraa3rPLdMCaJ9RgN0jAjWel9jnR3ZoTv0PUY_rsSYefXVoC8XWheGQJ_zqgkMzX2Wyu-p7xyLN4OZkPQwKstmHyaLGA6WS9O1bxhExDKimgrTK2lDqFtEK9UX_knnpSepby7f14m8bigelQieChePjOfchNQK7U2XjUh7PGqDqLN_3NDdIa2v18cIrQx3OMxWhQfs4cwbjrEdnwcUePEVvfg3F3aFGLglCDZu01btVSUnla0HOzjT_96xJN30M6VunSKqgqAZ52rBa2MicJ1iFh7Zq9eLCpy1Gg9hLO15izqr4t6mPdVijL&tracking_referrer=www.telegraph.co.uk