Ensaio clínico pioneiro com células mesenquimais para regeneração ocular

Investigadores da Universidade de Valladolid, Espanha, realizaram um ensaio clínico pioneiro, no qual transplantaram células estaminais mesenquimais (MSC, de Mesenchymal Stem Cells) da medula óssea em doentes com insuficiência límbica, uma doença ocular que afeta a regeneração da córnea.

Frequentemente causada por traumatismo ocular térmico ou químico, a insuficiência límbica caracteriza-se pela ausência parcial ou total das células estaminais do olho responsáveis pela renovação da córnea, processo essencial para manter uma visão saudável. Podendo levar à cegueira em casos extremos, esta doença começa por originar sintomas como dor, visão turva, irritação ocular ou intolerância às lentes de contacto. As técnicas mais recentes para o tratamento desta patologia envolvem o transplante de células estaminais de um olho saudável para o olho doente. No entanto, este método apresenta algumas limitações. Segundo os autores do trabalho recentemente publicado, as MSC são mais fáceis de obter e cultivar em laboratório do que as células estaminais do olho e não causam rejeição imunológica, podendo ser transplantadas sem o uso de imunossupressores. A vasta experiência já documentada relativamente ao transplante de MSC também se apresenta como uma vantagem deste tipo de células.

Células estaminais da medula óssea usadas para regeneração da córnea testadas em humanos

O trabalho desenvolvido, recentemente divulgado na revista científica Translational Research, teve como objetivo comparar a segurança e a eficácia da transplantação de MSC de medula óssea e de células estaminais do olho no tratamento de insuficiência límbica. Foram analisados os dados relativos a 28 transplantes realizados em doentes com insuficiência límbica severa ou total referenciados para cirurgia. Dezassete casos foram tratados com MSC e os restantes onze com células estaminais do olho. Ambos os procedimentos se mostraram seguros e a taxa de sucesso foi estatisticamente semelhante, o que indica que, para o tratamento desta patologia, o transplante de MSC de medula óssea de um dador é tão eficaz como o transplante de células estaminais do olho. Os autores referem que estes resultados são encorajadores e podem abrir portas para mais avanços na investigação médica nesta área, com benefício para os doentes.

Referências:

http://eyewiki.aao.org/Limbal_Stem_Cell_Deficiency

https://www.ciber-bbn.es/noticias/prueban-el-uso-de-celulas-madre-mesenquimales-para-tratar-la-ceguera-por-deficiencia-de-celulas-madre-epiteliales-de-la-cornea

Calonge M et al. A proof-of-concept clinical trial using mesenchymal stem cells for the treatment of corneal epithelial stem cell deficiency. Transl Res. 2018 Nov 22. pii: S1931-5244(18)30216-0. doi: 10.1016/j.trsl.2018.11.003.