Expansão de sangue do cordão umbilical diminui risco de infeção e tempo de hospitalização após transplante

O sangue do cordão umbilical é, atualmente, utilizado para o tratamento de várias patologias, nomeadamente doenças hemato-oncológicas, metabólicas, imunodeficiências, entre outras; constitui uma fonte de células estaminais alternativa à medula óssea com enorme potencial e permite aumentar o número de doentes que podem beneficiar de um transplante hematopoiético. A facilidade de colheita, a disponibilidade imediata para transplante e a presença de várias populações de células estaminais imaturas são algumas das características que tornam a utilização do sangue do cordão umbilical vantajosa no contexto da transplantação hematopoiética. Ainda assim, em determinadas circunstâncias, o número de células a transplantar torna-se uma limitação, principalmente em adultos de maior peso corporal. Nestes casos, o ideal é conseguir aumentar o número de células da unidade selecionada, antes do transplante. Para isso, a Gamida Cell, uma empresa especializada em terapias celulares, desenvolveu um produto, designado NiCord®, que consiste numa unidade de sangue do cordão umbilical expandida em laboratório (as células são colocadas em cultura e multiplicam-se, gerando um maior número de células), utilizando uma pequena molécula, a nicotinamida. O objetivo principal deste produto é o aumento do número de células transplantadas, com subsequente melhoria do tempo até à recuperação do enxerto (tempo que demora até o sistema sanguíneo e imunológico recuperar a sua função) e das taxas de sucesso dos transplantes de sangue do cordão umbilical.

Sangue do Cordão Umbilical expandido aumenta qualidade de vida dos doentes transplantados

Ensaios clínicos efetuados em humanos confirmaram a segurança da utilização do NiCord® e comprovaram a melhoria do tempo de recuperação do enxerto após transplante com este produto de terapia celular. Recentemente, foi publicado na revista Biology of Blood and Marrow Transplantation um artigo científico com os resultados de um estudo que avaliou o impacto da transplantação com NiCord® na taxa de doentes que contraíram infeções pós-transplante e no tempo de hospitalização. A comparação foi feita com um grupo controlo de doentes que receberam um transplante convencional de sangue do cordão umbilical (com unidades não expandidas). Os autores observaram uma diminuição do tempo de recuperação do enxerto de 26 dias no grupo transplantado de forma convencional para 12.5 dias no grupo que recebeu NiCord® e concluíram que esta melhoria teve um impacto positivo na incidência e severidade das infeções contraídas pelos doentes transplantados, nos primeiros 100 dias pós-transplante. A ocorrência de infeções bacterianas foi inferior no grupo transplantado com NiCord®, comparativamente ao grupo que recebeu transplantação convencional, tendo a severidade dessas infeções sido também significativamente menor. Relativamente ao tempo de hospitalização, os doentes do grupo NiCord® passaram, em média, cerca de menos 20 dias hospitalizados quando comparados com os do grupo controlo.

Em suma, os doentes transplantados com sangue do cordão umbilical expandido, no contexto destes ensaios clínicos, beneficiaram de uma melhoria nos tempos de recuperação do enxerto, acompanhada de uma redução das complicações devidas a infeções no período pós-transplante e do tempo de hospitalização. Parece, assim, que a expansão celular se está a tornar numa realidade cada vez mais próxima, possibilitando um acesso ainda mais alargado aos doentes que necessitem de um transplante hematopoiético e com melhorias significativas na sua qualidade de vida no período pós-transplante.

 

Referência:

Sarah Anand, et al. Transplantation of Ex Vivo Expanded Umbilical Cord Blood (NiCord) Decreases Early Infection and Hospitalization, Biology of Blood and Marrow Transplantation (2017), http://dx.doi.org/doi: 10.1016/j.bbmt.2017.04.001.