Infusões de Células Estaminais do Sangue e do Tecido do Cordão Umbilical em Crianças com Autismo – Resultados de um Ensaio Clínico

O autismo é uma doença que aflige um grande número de pessoas. É uma perturbação neurológica generalizada que afeta a capacidade de comunicação, de socialização e de comportamento. As causas do autismo estão ainda por definir e a sua terapêutica é em grande parte limitada a intervenções comportamentais.
Há algum tempo atrás iniciou-se um ensaio clínico para investigar a segurança e eficácia de infusões de células do sangue do cordão umbilical (SCU) e do tecido do cordão umbilical (TCU) no tratamento de crianças com autismo. No estudo foram incluídas 37 crianças autistas, tendo sido divididas em três grupos: o grupo SCU (14 crianças) recebeu infusões de SCU e terapia de reabilitação; o grupo de combinação (9 crianças) recebeu infusões de SCU e TCU e terapia de reabilitação; e o grupo controlo (14 crianças) recebeu apenas terapia de reabilitação. As crianças receberam um total de 4 infusões de células estaminais, espaçadas em cerca de uma semana. A avaliação da eficácia do tratamento foi feita recorrendo às escalas mais utilizadas para medir a gravidade do autismo e a segurança do tratamento foi avaliada com exames laboratoriais e pelo registo dos efeitos adversos. Os resultados deste ensaio foram publicados na revista científica Journal of Translational Medicine1 tendo sido observadas diferenças consideráveis, nas 3 escalas usadas, entre os dois grupos de tratamento e o grupo controlo, em 24 semanas pós tratamento. Nestas melhorias destacam-se as registadas ao nível visual, emocional e de resposta intelectual, uso do corpo, adaptação à mudança e comunicação não verbal, hiperatividade e indiferença/afastamento social. No que se refere à segurança, quer durante as infusões quer em todo o período de monitorização, não foram observados efeitos adversos graves e as infusões foram consideradas bem toleradas. Os autores deste estudo concluem que a infusão de SCU demonstrou eficácia em comparação com o grupo controlo e que a combinação de células do sangue e do tecido do cordão umbilical (SCU e TCU) mostrou efeitos terapêuticos superiores aos da infusão de apenas células do SCU. Apesar dos resultados promissores, são necessários mais estudos, com um número maior de crianças, para que este tipo de intervenção possa vir a ser usada no tratamento do autismo.

Referência
1- Transplantation of human cord blood mononuclear cells and umbilical cord-derived mesenchymal stem cells in autism. J Transl Med. Aug 27;11: 196. Lv YT et al., 2013.