Medicamentos produzidos a partir de células estaminais

As células estaminais são extraordinariamente promissoras para o tratamento de várias doenças. Nos últimos anos registaram-se grandes avanços no tratamento de doenças graves do sangue e do sistema imunitário com células estaminais hematopoiéticas (medula óssea, sangue periférico e sangue do cordão umbilical). Estes avanços mostram quão poderosas podem ser as terapias com células estaminais. Cientistas de todo o mundo usam células estaminais para saber mais sobre como diagnosticar e tratar várias doenças, e esta investigação está a levar-nos mais perto de novos tratamentos. São vários os potenciais tratamentos que se encontram em estudo em modelos animais, outros em fase de ensaios clínicos em humanos e outros ainda deram já origem a medicamentos com base em células estaminais. São exemplo disso o Prochymal®, produzido pela Osiris, para o tratamento da doença do enxerto contra hospedeiro em crianças. Este medicamento é baseado em células estaminais mesenquimais da medula óssea e obteve aprovação de comercialização em 2012 no Canadá e na Nova Zelândia. Na República da Coreia (Coreia do Sul) estão neste momento aprovados três medicamentos com base em células estaminais: O Cartistem®, produzido a partir de células mesenquimais do sangue do cordão umbilical e que se destina ao tratamento de artrite degenerativa, é um produto alogénico (dador e recetor são pessoas diferentes); o Cupistem®, à base de células estaminais mesenquimais do tecido adiposo destinado ao tratamento de fístulas anais (doença de Crohn), é um produto autólogo (isto é, produzido a partir de células do próprio doente); e o HeartiCellGram-AMI®, que se destina a ser administrado após enfarte agudo do miocárdio, é baseado em células estaminais mesenquimais da medula óssea e é também um produto autólogo. Com estes 3 medicamentos à base de células estaminais disponíveis no mercado, e aprovados pela entidade reguladora sul coreana (KFDA – Korean FDA), a Coreia do Sul tornou-se o líder mundial na comercialização de medicamentos à base de células estaminais. Nos EUA, o sangue do cordão umbilical de bancos públicos, usado em transplantação hematopoiética, é também considerado um medicamento. Neste caso, o componente ativo são as células do sangue do cordão umbilical.
O potencial clínico demonstrado por células estaminais de várias fontes (principalmente: medula óssea, sangue e tecido do cordão umbilical e tecido adiposo) em várias patologias conduziu a um aumento considerável no número de ensaios clínicos com células estaminais para uma gama crescente de doenças. O que a comunidade médica e científica espera é que estes ensaios clínicos venham, num futuro próximo, a proporcionar avanços significativos no tratamento de várias doenças graves, algumas das quais hoje sem tratamento eficaz.
A par dos medicamentos de células estaminais, encontram-se disponíveis outros produtos de terapia celular com outros tipos de células . São exemplo disso, o Carticel® e o ChondroCelect®, preparados a partir de células da cartilagem, destinados à reparação de lesões da cartilagem articular do joelho; o Dermagraft® para o tratamento de feridas da pele; e o laViv® para o preenchimento de rugas da face, entre outros.