Sangue do Cordão Umbilical no Tratamento de Perda Auditiva Adquirida

A perda auditiva neurossensorial decorre da perda de células sensoriais auditivas da cóclea (ouvido interno). Mundialmente, existem mais de 270 milhões de pessoas afetadas por esta patologia. Em crianças, na maioria dos casos, a perda auditiva é adquirida (isto é, surge após o nascimento) e está associada a prematuridade, infeções virais ou bacterianas, exposição a ruídos ou a medicamentos tóxicos para o ouvido. O sentido da audição é crucial para o desenvolvimento da fala e da linguagem, pelo que é importante que uma eventual perda auditiva seja diagnosticada o mais precocemente possível. Atualmente, não existem tratamentos que reparem este problema. Os aparelhos auditivos e os implantes cocleares têm sido usados para melhorar os sintomas, mas não revertem a doença. Assim, na tentativa de reverter os … Continuar a ler

História da Utilização do Sangue do Cordão Umbilical

A existência de células estaminais hematopoiéticas no sangue do cordão umbilical foi descrita pela primeira vez em 1974. Em 1988, uma equipa multidisciplinar realiza, em Paris, o primeiro transplante com sangue do cordão umbilical, para tratar uma criança com anemia de Fanconi. Numa viagem ao passado, a Dra. Joanne Kurtzberg, prestigiada médica hemato-oncologista especialista em transplantação com sangue do cordão umbilical, conta, num artigo publicado recentemente, um pouco do seu percurso e a sua visão da história e do futuro do sangue do cordão umbilical. “O Dr. Broxmeyer transportou a amostra congelada num recipiente de transporte refrigerado – um lugar no avião para ele, outro para as células do cordão – e chegou no dia do transplante”, relembra a Dr.ª Kurtzberg, referindo-se à forma como … Continuar a ler