Injeção local de células estaminais do tecido adiposo permite evitar amputação

Uma irrigação sanguínea insuficiente dos tecidos do nosso organismo pode ter várias causas, sendo a mais frequente o estreitamento do espaço interior dos vasos sanguíneos pela acumulação de placas de gordura. O agravamento dessa situação pode conduzir a uma doença designada isquémia crítica dos membros, uma condição grave, em que a irrigação sanguínea se encontra seriamente comprometida. Esta má irrigação dos tecidos resulta num aporte insuficiente de oxigénio e subsequente morte das células nas zonas afetadas, levando ao aparecimento de úlceras de difícil cicatrização, que podem culminar na amputação do membro afetado, quando as técnicas convencionais de revascularização falham ou estão contraindicadas. Cerca de um terço dos doentes com isquémia crítica dos membros apresenta algum tipo de contraindicação para cirurgia, ficando, desta forma, sem opções … Continuar a ler

Tratamento da COVID-19 com células estaminais alcança resultados favoráveis em ensaio clínico

Mais de nove meses após o registo dos primeiros casos de infeção por SARS-CoV-2, a COVID-19 continua a não dar tréguas, tendo já ultrapassado um milhão de mortes, de entre os mais de 33 milhões de casos registados. Apesar de um número significativo de infetados permanecer assintomático ou apresentar apenas sintomas ligeiros, muitos desenvolvem doença grave, que se manifesta com insuficiência respiratória e cardíaca, frequentemente acompanhada de uma sobreativação do sistema imunitário – designada tempestade de citocinas –, com elevação dos níveis de moléculas pro-inflamatórias. Esta reação à infeção por SARS-CoV-2 é muito prejudicial e pode provocar a morte ou deixar sequelas graves a longo-prazo. É, por isso, urgente encontrar soluções eficazes para controlar a atividade do sistema imunitário destes doentes. Uma das abordagens avançadas … Continuar a ler

Estudo suporta potencial de células do cordão umbilical na regeneração cardíaca

As doenças cardiovasculares constituem a principal causa de morte em Portugal e no mundo. Para além da prevenção, através da adoção de um estilo de vida saudável e alimentação cuidada, é importante dispor de opções terapêuticas eficazes para o seu tratamento. O recurso a terapias celulares tem sido alvo de intensa investigação científica, como solução capaz de complementar os métodos de tratamento atualmente disponíveis. As células da medula óssea têm sido amplamente testadas em contexto de doença cardíaca, resultando em melhorias na capacidade de bombeamento do coração, diminuição da zona de enfarte, entre outras. Também as células estaminais do tecido do cordão umbilical demonstraram já resultados promissores neste contexto, nomeadamente pela sua capacidade para diminuir a inflamação e estimular a formação de novos vasos sanguíneos. … Continuar a ler

Células estaminais libertam moléculas com potencial para tratar doença de Alzheimer

A doença de Alzheimer constitui a principal causa de demência na população idosa, sendo urgente a descoberta de tratamentos capazes de impedir a sua progressão. A acumulação de proteína beta amiloide no cérebro e a neuroinflamação que a acompanham são processos característicos desta doença, conduzindo à perda de memória e demência. Segundo estudos recentes, as células estaminais mesenquimais (MSC, de Mesenchymal Stem Cells) podem ser a chave para o desenvolvimento de uma terapia eficaz para a doença de Alzheimer. A administração destas células está associada a um efeito anti-inflamatório e à recuperação da memória, em modelos animais desta doença. Por outro lado, é agora consensual que as MSC exercem o seu efeito através da libertação de moléculas, capazes de promover a regeneração e diminuir a … Continuar a ler

Estudo sugere que células estaminais do cordão umbilical podem beneficiar crianças autistas

Foram recentemente publicados os resultados de um novo estudo, que indicam que a administração de células estaminais mesenquimais do tecido do cordão umbilical a crianças com Perturbações do Espectro do Autismo (PEA) é segura e pode conduzir à melhoria dos sintomas. As PEA englobam um conjunto de transtornos do desenvolvimento infantil caracterizadas por alterações nas competências sociais e pela presença de interesses restritos e comportamentos repetitivos. A sua incidência tem vindo a aumentar ao longo do tempo, estimando-se que afete, atualmente, cerca de uma em cada mil crianças portuguesas em idade escolar. Uma vez que as abordagens terapêuticas convencionais, como a terapia ocupacional e da fala, não atuam na causa da disfunção, outras soluções têm vindo a ser procuradas para o tratamento das PEA. Uma … Continuar a ler

Células do sangue do cordão umbilical benéficas em doentes com COVID-19

Desde o final de 2019 que o mundo se vê a braços com a tarefa hercúlea de travar a evolução da COVID-19 e, apesar dos esforços de contenção por parte das autoridades e da intensa investigação científica nesta área, a pandemia não parece ter um fim à vista. Nos últimos meses, começaram a surgir evidências de que um pequeno conjunto de medicamentos já existentes pode ter efeito na redução da mortalidade em doentes com COVID-19. Para além de medicamentos, outras abordagens de tratamento, baseadas na administração de células, estão a ser testadas para o tratamento destes doentes. É atualmente consensual que a COVID-19 pode provocar uma “tempestade de citocinas”, decorrente da produção exagerada de moléculas pró‑inflamatórias, podendo causar síndrome de dificuldade respiratória aguda (ARDS, do … Continuar a ler

Estudo recente confirma vantagens do sangue do cordão umbilical

Um novo estudo, realizado nos EUA, confirmou a eficácia da transplantação de adultos com sangue do cordão umbilical, demonstrando que está associado a melhores taxas de sobrevivência livre de recaída e de doença do enxerto contra o hospedeiro, relativamente ao uso de sangue periférico mobilizado de familiares compatíveis. A transplantação de células estaminais obtidas da medula óssea, sangue periférico mobilizado (células da medula óssea mobilizadas para a corrente sanguínea por estimulação farmacológica), ou sangue do cordão umbilical é, muitas vezes, a única opção curativa para doentes com doenças hemato-oncológicas, como leucemias e linfomas, e outras doenças que afetam as células do sangue e do sistema imunitário. O campo da transplantação hematopoiética tem evoluído muito ao longo dos últimos 60 anos, nomeadamente no que diz respeito … Continuar a ler

Células estaminais promovem melhorias em vítimas de AVC

O Acidente Vascular Cerebral (AVC) é uma das principais causas de morte e de incapacidade em Portugal, provocando sequelas graves numa grande parte dos sobreviventes. Um AVC ocorre devido a uma hemorragia ou falta de irrigação sanguínea no cérebro, podendo levar a défices neurológicos graves, com impacto significativo na qualidade de vida. Após a fase aguda, a fisioterapia é a principal estratégia utilizada para promover a recuperação destes doentes, pelo que é urgente desenvolver outros métodos eficazes no tratamento das sequelas de AVC. Estudos anteriores já demonstraram que a administração de células estaminais mesenquimais (MSC, do inglês Mesenchymal Stem Cells) pode promover a recuperação de doentes que sofreram AVC, possivelmente através da reorganização dos circuitos neuronais afetados. A evidência científica sugere que as MSC ajudam … Continuar a ler

Tratamento inovador à base de vesículas de células estaminais para lesões da espinal medula

Devido à limitada capacidade de regeneração do sistema nervoso central, as lesões na espinal medula podem ter consequências devastadoras, como paralisação e perda de sensação no corpo abaixo do local da lesão. Estima-se que mais de 27 milhões de doentes se encontrem, neste momento, a enfrentar as consequências decorrentes de uma lesão na espinal medula. Para além das limitações físicas, outras dimensões, como o estado psicológico, a vida social, familiar e profissional, são também afetadas. Inúmeros ensaios clínicos têm vindo a estudar a possibilidade de tratar estas lesões utilizando células estaminais. Um estudo em modelo animal, recentemente publicado, descreve uma estratégia inovadora para o tratamento de lesões na espinal medula, utilizando vesículas libertadas por células estaminais da placenta, aplicadas num gel de ácido hialurónico. Os … Continuar a ler

Terapia com células estaminais mesenquimais em avaliação para o tratamento de COVID-19

A COVID-19, doença provocada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2), primeiramente detetada na China em dezembro de 2019, foi, em março deste ano, classificada como pandemia pela Organização Mundial de Saúde. Se, por um lado, este sério problema de saúde pública obrigou à mobilização de esforços de contenção por parte de entidades reguladoras, governos e, de uma forma geral, de toda a população, tem, por outro lado, gerado um esforço equivalente por parte da comunidade médica e científica, na procura de soluções para a sua prevenção e tratamento. Muito embora alguns doentes com COVID-19 apresentem apenas sintomas ligeiros, outros desenvolvem pneumonia, podendo o quadro evoluir, nos casos mais severos, para insuficiência respiratória grave, bem como falência de outros órgãos e conduzir, eventualmente, à morte. Para além das … Continuar a ler