Células estaminais no tratamento de lesões dentárias após trauma

Os dentes são compostos por três estruturas principais: o esmalte, a dentina e a polpa. O esmalte e a dentina são tecidos mineralizados, com funções mecânicas e protetoras. A polpa ocupa a parte central do dente e é constituída por tecido conjuntivo não mineralizado, ricamente inervado e vascularizado. Esta estrutura desempenha funções nutritivas, defensivas, sensitivas e reguladoras, o que a torna essencial para a vitalidade dos dentes. Após traumas violentos pode ocorrer a necrose da polpa dentária. Esta condição caracteriza‑se por um conjunto de alterações que se traduzem na falência de todo o sistema vascular e nervoso da polpa dentária, sendo a idade um fator de risco. Devido à imaturidade no desenvolvimento da raiz dentária, os jovens apresentam maior probabilidade de necrose após trauma. Quando … Continuar a ler

Células do Tecido do Cordão Umbilical no Tratamento de Púrpura Trombocitopénica Imune

Embora seja considerada uma doença autoimune de prognóstico geralmente favorável, alguns doentes com Púrpura Trombocitopénica Imune (PTI) não respondem aos tratamentos de primeira e segunda linha, ficando sujeitos à ocorrência de hemorragias graves. O potencial das células estaminais mesenquimais do tecido do cordão umbilical está a ser testado para o tratamento destes doentes. A PTI caracteriza-se por uma taxa anormalmente elevada de destruição das plaquetas (células sanguíneas responsáveis pela coagulação), que ocorre no baço. Os doentes com PTI apresentam trombocitopenia persistente (baixa contagem de plaquetas no sangue), tendo por isso maior tendência para a ocorrência de hemorragias. A PTI apresenta um espetro clínico alargado: desde um processo assintomático, sem necessidade de tratamento exigindo apenas vigilância do doente, ou pode tornar‑se numa situação crónica grave, com … Continuar a ler

Células estaminais no tratamento de fístulas associadas à doença de Crohn – resultados intermédios de um ensaio clínico de fase 3

A TiGenix (empresa biofarmacêutica sediada na Bélgica e em Espanha) anunciou recentemente alguns resultados do ensaio clínico de fase 3 que pretende avaliar a segurança e eficácia do Cx601 no tratamento de fístulas complexas associadas à doença de Crohn, num grupo alargado de doentes. A Doença de Crohn é uma doença inflamatória crónica do intestino, que surge com mais frequência entre os 16 e os 40 anos, podendo no entanto afetar qualquer grupo etário. Estima-se que em Portugal, a prevalência desta doença seja de 73 por 100 000 habitantes. As fístulas perianais são umas das complicações que surgem em cerca de 38% dos casos de doença de Crohn, comprometendo a qualidade de vida destes doentes. Estas fístulas resultam da extensão de úlceras através da parede … Continuar a ler

Reconstrução craniana utilizando impressão 3D e células estaminais mesenquimais

Um grupo de investigadores da Austrália irá iniciar no próximo ano um ensaio clínico com o objetivo de reconstruir partes do crânio utilizando impressão 3D e células mesenquimais. Qualquer lesão ou defeito no crânio é muito difícil de reparar de forma eficaz. Sempre que uma parte do crânio tem que ser removida (por exemplo: para aliviar a pressão na sequência de um traumatismo; ou, para realizar uma cirurgia), esta é armazenada num congelador para ser reimplantada mais tarde. No entanto, é frequente ocorrerem infeções ou a reabsorção do osso. Em alternativa, podem ser implantadas placas de titânio, cerâmica ou plástico. Esta última estratégia também é utilizada na sequência de um traumatismo em que uma parte do crânio ficou muito danificada, não podendo ser reutilizada. Mas, … Continuar a ler

Resultados de um ensaio clínico de fase 2 para o tratamento de insuficiência cardíaca congestiva com células mesenquimais

Foram recentemente apresentados os resultados de um ensaio clínico de fase 2, que avaliou o tratamento com células mesenquimais precursoras alogénicas em doentes com insuficiência cardíaca congestiva. A insuficiência cardíaca congestiva (ou insuficiência cardíaca) é uma doença em que a quantidade de sangue que o coração bombeia por minuto é insuficiente para satisfazer as necessidades de oxigénio e de nutrientes do organismo. As causas para a insuficiência cardíaca são variadas, sendo mais frequente em pessoas mais velhas. Esta doença afeta cerca de 23 milhões de indivíduos em todo o mundo, e apesar destes poderem viver vários anos, cerca de 70% dos doentes morrem nos primeiros 10 anos após o diagnóstico. A empresa Norte Americana Mesoblast, com foco na área da medicina regenerativa, desenvolveu um ensaio … Continuar a ler

Células mesenquimais do cordão umbilical demonstram eficácia terapêutica em doentes com diabetes tipo 2

Foram recentemente publicados os resultados de um ensaio clínico para avaliar a segurança e eficácia da infusão de células estaminais mesenquimais do cordão umbilical em doentes com diabetes tipo 2. Apesar de o ensaio incluir um pequeno número de doentes, os resultados foram positivos. A diabetes tipo 2 é o tipo mais frequente de diabetes (cerca de 90% dos casos de diabetes em todo o mundo) sendo uma das principais causas de mortalidade em indivíduos com mais de 60 anos. Estima-se que em Portugal existam cerca de 1 milhão de doentes com diabetes. A diabetes tipo 2 pode resultar de uma resistência do organismo aos efeitos da insulina (hormona responsável por regular os níveis de açúcar no sangue) ou da produção insuficiente desta hormona não … Continuar a ler

Tecido adiposo autólogo eficaz no tratamento da osteoartrite

A osteoartrite ou osteoartrose (OA) é a doença articular mais comum, afetando 10-15 % da população mundial, com uma incidência superior a 60% nos homens e a 70% nas mulheres com mais de 65 anos de idade. Esta doença degenerativa das articulações causa dor e incapacidade física, sendo a principal responsável pelo absentismo laboral após os 50 anos de idade. A idade é o principal fator de risco da osteoartrite, sendo por isso previsível que, dado o envelhecimento da população, haja um aumento significativo na incidência desta doença nas próximas décadas. Neste contexto um grupo de investigadores desenvolveu um estudo com o objetivo de avaliar a eficácia da utilização de células estaminais isoladas do tecido adiposo autólogo (do próprio) em doentes com osteoartrite. Este estudo … Continuar a ler

Células estaminais da polpa dentária com potencial para regenerar córnea – testes em ratinhos

Milhões de indivíduos em todo o mundo desenvolvem cegueira, devido a doenças da córnea (lesões provocadas por traumatismos ou infeções, ou ainda doenças genéticas). Este tipo de cegueira pode ser reversível desde que as restantes estruturas do olho estejam preservadas. Nestes casos, recorre-se ao transplante de córnea proveniente de cadáveres. Mas o fornecimento destas córneas é limitado, não permitindo satisfazer todas as necessidades, e neste tipo de transplantes também existe o risco de rejeição (em cerca de 38% dos transplantes). Dados da EBAA (Associação Americana de Bancos do Olho) indicam que só nos EUA foram realizados cerca de 70 000 transplantes de córnea no ano passado. Em Portugal, segundo a Sociedade Portuguesa de Oftalmologia, são realizados cerca de 700 transplantes de córnea por ano. A … Continuar a ler

Estudo em ratos demonstra potencial de células mesenquimais para obtenção de bexigas

A bexiga é um órgão complexo, cuja principal função é armazenar e eliminar urina, contudo, existem várias doenças que podem afetar o seu funcionamento. Em muitos casos é necessário aumentar a capacidade ou substituir a bexiga, de forma a preservar a função renal, adquirir continência, impedir infeções do trato urinário e promover um esvaziamento voluntário e completo da bexiga. O tratamento padrão, nestas situações, passa pela utilização de um segmento do intestino para aumentar ou substituir a bexiga, no entanto, esta terapêutica está associada a várias complicações. Neste contexto, um grupo de investigadores demonstrou recentemente, num estudo realizado em ratos, que é possível obter uma bexiga funcional utilizando células estaminais mesenquimais e uma matriz (o “esqueleto”) de bexiga. Os investigadores retiraram bexigas de ratos que … Continuar a ler

Ensaio clínico estuda o potencial das células estaminais para tratamento de lesões do joelho

A osteoartrite (ou artrose) do joelho é uma das condições degenerativas do joelho mais comuns, afetando 3 a 4 % da população global e é, em muitos casos, responsável pelo absentismo e qualidade de vida diminuída. O recurso à cirurgia de substituição do joelho permite recuperar mobilidade, no entanto, como as próteses têm uma duração limitada, obrigam muitas vezes a adiar a intervenção. Nos EUA, são realizadas anualmente cerca de 700 000 cirurgias de substituição do joelho. Com o objectivo de evitar ou adiar o recurso a esta cirurgia, foi iniciado um ensaio clínico para avaliar o potencial de células estaminais da medula óssea no tratamento de lesões do joelho. Este Ensaio Clínico pretende utilizar um procedimento desenvolvido por uma empresa de biotecnologia (o Regenexx … Continuar a ler