Sangue do cordão umbilical expandido em laboratório aplicado em crianças com anemia falciforme

A anemia falciforme é uma doença hereditária que afeta os glóbulos vermelhos (que, em vez da forma característica de disco bicôncavo, têm forma de foice) e conduz a múltiplos problemas de saúde, crises dolorosas e mortalidade precoce. Todos os anos, aproximadamente 300.000 crianças nascem com anemia falciforme, em todo o mundo. Embora na Europa e nos EUA a incidência desta doença tenha vindo a aumentar, continua a ser mais prevalente em países africanos e na Índia. As opções terapêuticas habitualmente utilizadas para tratar doentes com anemia falciforme, nomeadamente durante os episódios de exacerbação da doença, não têm como objetivo a cura, tratando-se, antes, de tratamentos de suporte, que recorrem, por exemplo, a transfusões sanguíneas e analgésicos. O único tratamento consensual capaz de curar a anemia … Continuar a ler

Células estaminais do cordão umbilical permitem melhorar visão de doentes com doença ocular

A neuropatia ótica refere-se a um conjunto de doenças decorrentes de lesão do nervo ótico – estrutura que transporta a informação visual captada pelo olho até ao cérebro. A neuropatia ótica manifesta-se com graus variáveis de disfunção visual e pode dever-se quer a causas hereditárias, quer a outros fatores, como traumatismos, infeções e doenças, como o glaucoma. A progressão da neuropatia ótica conduz à atrofia ótica, com morte das células do nervo ótico e perda irreversível de visão, uma vez que estas células não possuem capacidade para se regenerarem. No âmbito da medicina regenerativa, a terapia com células estaminais mesenquimais é atualmente considerada uma estratégia promissora para o tratamento de doenças que afetam o nervo ótico. Estas células libertam fatores de crescimento capazes de promover … Continuar a ler

Ensaio clínico mostra benefícios da administração de células do cordão umbilical a doentes com COVID-19

Apesar dos enormes esforços de investigação realizados ao longo de 2020, as opções de tratamento para os doentes com COVID-19 continuam, ainda, a ser muito limitadas. Embora haja uma grande percentagem de doentes a reportar apenas sintomas ligeiros, outros apresentam uma forma grave da doença, que se pensa estar associada a uma hiperativação do sistema imunitário, em resposta à infeção viral. Frequentemente, estes doentes desenvolvem síndrome da dificuldade respiratória aguda, também designada por ARDS (do inglês, Acute Respiratory Distress Syndrome), com agravamento do prognóstico. Tendo em conta que a taxa de mortalidade de doentes com COVID-19 que desenvolvem ARDS é de cerca de 52%, é urgente encontrar soluções capazes de controlar a resposta imunitária e promover a recuperação destes doentes. Um dos tratamentos que têm … Continuar a ler

Células estaminais estimulam função ovárica em mulheres com insuficiência ovárica prematura

A insuficiência ovárica prematura caracteriza-se pela perda de atividade dos ovários em mulheres com menos de 40 anos, ausência de menstruação e baixos níveis de estrogénio no sangue. Afeta entre 1-3% desta população feminina e representa uma causa de infertilidade. Adicionalmente, as mulheres com insuficiência ovárica prematura apresentam risco acrescido de osteoporose e doença cardiovascular, devido à exposição a baixos níveis de estrogénios, questão habitualmente contornada através de terapia hormonal de substituição. Contudo, esta terapêutica não permite recuperar a fertilidade, pelo que é importante desenvolver estratégias nesse sentido. Uma das técnicas em estudo para restaurar a atividade ovárica e a fertilidade nestas mulheres é a utilização de células estaminais mesenquimais, com resultados promissores. Vários estudos pré-clínicos indicam que as células estaminais mesenquimais apresentam várias propriedades … Continuar a ler

Células estaminais do cordão umbilical promovem regeneração dos discos da coluna vertebral

A dor lombar é atualmente a principal causa de incapacidade a nível mundial, com enorme impacto social e económico. Em Portugal, de acordo com dados do Instituto Nacional de Estatística, ascende a mais de 3 milhões o número de pessoas que atualmente sofre de dor lombar ou outros problemas crónicos das costas. Uma das principais causas de dor lombar é a doença degenerativa dos discos intervertebrais, que pode levar ao aparecimento de outros problemas na coluna vertebral, como hérnias discais e osteoartrite. Os discos intervertebrais são estruturas arredondadas situadas entre as vértebras, que servem como elemento de ligação entre as mesmas, e de absorção de choques mecânicos, permitindo a flexibilidade e movimento da coluna vertebral. Uma vez que os tratamentos conservadores e cirúrgicos atualmente disponíveis … Continuar a ler

Estudo sugere que células estaminais do cordão umbilical podem beneficiar crianças autistas

Foram recentemente publicados os resultados de um novo estudo, que indicam que a administração de células estaminais mesenquimais do tecido do cordão umbilical a crianças com Perturbações do Espectro do Autismo (PEA) é segura e pode conduzir à melhoria dos sintomas. As PEA englobam um conjunto de transtornos do desenvolvimento infantil caracterizadas por alterações nas competências sociais e pela presença de interesses restritos e comportamentos repetitivos. A sua incidência tem vindo a aumentar ao longo do tempo, estimando-se que afete, atualmente, cerca de uma em cada mil crianças portuguesas em idade escolar. Uma vez que as abordagens terapêuticas convencionais, como a terapia ocupacional e da fala, não atuam na causa da disfunção, outras soluções têm vindo a ser procuradas para o tratamento das PEA. Uma … Continuar a ler

Células do sangue do cordão umbilical benéficas em doentes com COVID-19

Desde o final de 2019 que o mundo se vê a braços com a tarefa hercúlea de travar a evolução da COVID-19 e, apesar dos esforços de contenção por parte das autoridades e da intensa investigação científica nesta área, a pandemia não parece ter um fim à vista. Nos últimos meses, começaram a surgir evidências de que um pequeno conjunto de medicamentos já existentes pode ter efeito na redução da mortalidade em doentes com COVID-19. Para além de medicamentos, outras abordagens de tratamento, baseadas na administração de células, estão a ser testadas para o tratamento destes doentes. É atualmente consensual que a COVID-19 pode provocar uma “tempestade de citocinas”, decorrente da produção exagerada de moléculas pró‑inflamatórias, podendo causar síndrome de dificuldade respiratória aguda (ARDS, do … Continuar a ler

Estudo recente confirma vantagens do sangue do cordão umbilical

Um novo estudo, realizado nos EUA, confirmou a eficácia da transplantação de adultos com sangue do cordão umbilical, demonstrando que está associado a melhores taxas de sobrevivência livre de recaída e de doença do enxerto contra o hospedeiro, relativamente ao uso de sangue periférico mobilizado de familiares compatíveis. A transplantação de células estaminais obtidas da medula óssea, sangue periférico mobilizado (células da medula óssea mobilizadas para a corrente sanguínea por estimulação farmacológica), ou sangue do cordão umbilical é, muitas vezes, a única opção curativa para doentes com doenças hemato-oncológicas, como leucemias e linfomas, e outras doenças que afetam as células do sangue e do sistema imunitário. O campo da transplantação hematopoiética tem evoluído muito ao longo dos últimos 60 anos, nomeadamente no que diz respeito … Continuar a ler

Criança com anemia aplástica grave recupera após transplante de sangue do cordão umbilical

A anemia aplástica é uma doença hematológica rara, que pode ser fatal se não for tratada atempadamente. Nesta doença, o sistema imunitário ataca e destrói as células estaminais da medula óssea, responsáveis pela produção das células do sangue e do sistema imunitário, deixando o doente anémico e vulnerável a infeções e hemorragias. Para além dos casos associados a uma predisposição genética para desenvolver a doença, sabe-se que esta pode ser despoletada, por exemplo, pela exposição a quimio ou radioterapia. No entanto, em grande parte dos casos, não é possível identificar a sua causa. Nos casos mais graves, em que não é possível controlar a doença com agentes imunossupressores, o tratamento passa pela realização de um transplante hematopoiético (transplante de células estaminais hematopoiéticas, formadoras das células … Continuar a ler