Nova abordagem no tratamento do cancro da mama utilizando sangue do cordão umbilical

Foram recentemente publicados os resultados de um estudo que indica que o sangue do cordão umbilical pode constituir uma eficiente fonte de células para utilizar no tratamento do cancro da mama. O cancro da mama é o tumor maligno mais frequente entre a população feminina a nível mundial. Na Europa, estima-se que haja cerca de 90 novos casos por ano em cada 100.000 habitantes. Em Portugal, os números são semelhantes e, embora o prognóstico seja muito favorável, com cerca de 85% das mulheres portuguesas a sobreviver 5 anos após o diagnóstico da doença, mantém-se a necessidade de desenvolver tratamentos cada vez mais eficazes, sobretudo para as formas mais agressivas desta neoplasia. Células NK do sangue do cordão umbilical eliminam células de cancro da mama Um … Continuar a ler

27º Aniversário do Primeiro Transplante de Sangue do Cordão Umbilical

No dia 6 de outubro completaram-se 27 anos do primeiro transplante de sangue do cordão umbilical. Este transplante foi realizado em França, em 1988, a uma criança norte‑americana de 5 anos, Matthew Farrow, com anemia de Fanconi, uma doença do sangue, rara e fatal. Após quimioterapia intensiva, Matthew recebeu as células do sangue do cordão umbilical da sua irmã recém-nascida, com quem era compatível. Atualmente, Matthew tem uma vida normal graças ao trabalho de três médicos pioneiros: a Dra. Joanne Kurtzberg, uma conceituada hematologista pediatra de quem era doente, o Dr. Hal Broxmeyer, o médico que guardou o sangue do cordão umbilical usado no seu transplante e a Dra. Eliane Gluckman, uma reconhecida hematologista e investigadora, que realizou o transplante no Hôpital Saint‑Louis, em Paris. … Continuar a ler

Vantagens e limitações do sangue do cordão umbilical relativamente à medula óssea/sangue periférico

Desde o sucesso do primeiro transplante com sangue do cordão umbilical (SCU), em 1988, foram já realizados mais de 30.000 transplantes, cerca de 75% dos quais nos últimos seis anos. Estes valores demonstram a crescente adoção do SCU como opção terapêutica e para isso muito contribuem as vantagens que o SCU apresenta face a outras fontes de células estaminais hematopoiéticas: medula óssea e sangue periférico. Entre as principais vantagens destacam-se as seguintes: – O SCU contém um maior número de células estaminais hematopoiéticas por unidade de volume, quando comparado com o sangue periférico ou com a medula óssea (cerca de 10 vezes mais – Apresenta menor risco de doença do enxerto contra hospedeiro (GVHD), uma complicação grave que pode ocorrer após um transplante hematopoiético – … Continuar a ler

Criança com paralisia cerebral recebe infusão de células estaminais do seu sangue do cordão umbilical

Em Espanha, no passado dia 10 de dezembro de 2013, uma menina de 4 anos de idade com paralisia cerebral recebeu uma infusão de células estaminais do seu próprio sangue do cordão umbilical. A paralisia cerebral é uma das principais áreas de investigação da utilização terapêutica das células estaminais do sangue do cordão umbilical. A infusão foi realizada pelo Dr. Luis Madero, chefe do departamento de hemato-oncologia do Hospital Niño Jesús, em Madrid. Esta é a terceira infusão deste tipo realizada pelo Dr. Madero para o tratamento de paralisia cerebral infantil. Segundo o Dr. Luis Madero, embora este tipo de tratamentos se encontrem ainda em fases muito iniciais de investigação, acredita se que as terapias regenerativas com células estaminais possam ser uma opção terapêutica para … Continuar a ler

Vale a pena guardar as células estaminais do segundo filho?

Quando chega a segunda gravidez, a maioria dos pais que optou por criopreservar a amostra de sangue do cordão umbilical (SCU) do primeiro filho, pondera se será necessário guardar também a amostra do segundo. É importante que os pais saibam que a nova amostra de SCU poderá ser útil quer para o próprio quer para um irmão desta criança. São vários os exemplos de casos de crianças que foram transplantadas com amostras de SCU de irmãos. O primeiro transplante de SCU foi realizado em 1988, em França, para tratar uma criança de 5 anos com Anemia de Fanconi (doença congénita causada por uma deficiência na medula óssea que impede a produção de células sanguíneas normais) com uma amostra de SCU de uma irmã compatível. O … Continuar a ler

O primeiro transplante com Células Estaminais guardadas num Banco Familiar português

Fez recentemente 6 anos que se realizou o 1º transplante de células estaminais do sangue do cordão umbilical em Portugal, com uma amostra guardada na Crioestaminal, revelando-se um transplante bem sucedido. O transplante de células estaminais criopreservadas realizou-se no Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto, em 2007, numa criança de 14 meses que sofria de Imunodeficiência Combinada Severa. Esta doença rara, caracterizada por deficiências no sistema imunitário, tornava a criança suscetível a infeções graves, recorrentes e potencialmente fatais. A solução, neste caso, passava por um transplante de células estaminais do sangue do cordão umbilical ou da medula óssea, tendo sido o primeiro a opção escolhida por se encontrar disponível uma amostra de sangue do cordão umbilical de um irmão compatível, guardada pela Crioestaminal, em … Continuar a ler