Aplicação de células estaminais no coração beneficia doentes com insuficiência cardíaca

Está atualmente a decorrer um ensaio clínico de fase III para investigar se doentes com insuficiência cardíaca crónica poderão beneficiar do tratamento com células estaminais mesenquimais. Este estudo pretende encontrar soluções alternativas para estes doentes, que apresentam um elevado risco de morte ou de sofrer episódios cardíacos graves que requerem hospitalização. Apesar dos progressos na prevenção e tratamento das doenças cardiovasculares, estas continuam a ser a principal causa de morte em Portugal e na Europa, constituindo, também, uma das mais importantes causas de incapacidade e invalidez. Com o envelhecimento da população, antecipa-se um aumento significativo dos portugueses afetados por estas doenças, e só com insuficiência cardíaca o número poderá atingir cerca de meio milhão em 2060. A progressão da insuficiência cardíaca está associada a inflamação … Continuar a ler

Células do Sangue do Cordão Umbilical na Recuperação após Enfarte do Miocárdio

O enfarte agudo do miocárdio constitui atualmente uma das principais causas de morte nos países desenvolvidos. O enfarte do miocárdio, vulgarmente conhecido como “ataque cardíaco”, ocorre quando uma ou mais artérias que irrigam o músculo cardíaco (miocárdio) ficam obstruídas e o coração não recebe sangue e oxigénio nas quantidades de que necessita (isquémia). Nessas condições, as células da área afetada do coração morrem, comprometendo a sua função. Nas duas últimas décadas, tem-se assistido a uma redução significativa da taxa de mortalidade na população portuguesa por doenças cardiovasculares. No entanto, estas doenças são ainda a principal causa de morte em Portugal, e na União Europeia em geral. Apesar dos avanços no diagnóstico e tratamento do enfarte agudo do miocárdio, esta doença cardiovascular continua a ter grande … Continuar a ler

Células do Sangue do Cordão Umbilical promovem revascularização em modelo de Doença Arterial Periférica

As doenças cardiovasculares continuam a ser uma das principais causas de morte, tanto nos EUA como em Portugal, com custos associados a rondar os 300 biliões de dólares só nos EUA. Esta área tem sido, por isso, alvo de intensa investigação científica, com o intuito de desenvolver novas terapias regenerativas para as várias doenças cardiovasculares. A doença arterial periférica (DAP) é uma doença cardiovascular que se caracteriza pela obstrução das artérias, geralmente dos membros inferiores, conduzindo a um deficiente fornecimento de oxigénio às células e eventual morte celular. A DAP pode causar dor e, nos casos mais severos, feridas ou mesmo gangrena, podendo levar à amputação de membros. O desenvolvimento de novas terapias celulares para melhorar a circulação sanguínea em doentes com DAP severa tem … Continuar a ler