Tratamento promissor com células estaminais para a Esclerose Lateral Amiotrófica

A Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) é uma doença neurodegenerativa rara caracterizada pela perda progressiva e prematura dos neurónios que conduzem a informação do cérebro até aos músculos (neurónios motores). Como resultado, os músculos vão enfraquecendo e atrofiando, e os doentes acabam por perder gradualmente a capacidade de andar, falar, mastigar, engolir e até mesmo respirar, o que conduz a insuficiência respiratória, a principal causa de morte nesta doença. Geralmente a ELA afeta pessoas entre os 40 e os 70 anos de idade, mas há doentes na faixa etária dos 20 anos. Apesar da maioria dos doentes ter uma esperança média de vida a rondar os 2 a 5 anos, há registo de casos excecionais, como o do físico Stephen Hawking que viveu 55 anos com … Continuar a ler

Potencial do Sangue do Cordão Umbilical no tratamento de Esclerose Lateral Amiotrófica

A Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) é uma doença neurodegenerativa muito grave causada pela degeneração progressiva dos neurónios que transmitem os sinais necessários à contração muscular (neurónios motores). Os doentes com ELA, à medida que a neurodegeneração avança, vão perdendo força muscular e eventualmente deixam de conseguir manter as suas funções vitais. A insuficiência respiratória é a principal causa de morte nestes doentes, que têm uma esperança média de vida de apenas 3 a 5 anos após o início do desenvolvimento da doença. As causas que levam ao aparecimento de ELA, que afeta 450.000 indivíduos em todo o mundo, são ainda desconhecidas, devido à complexidade de fatores que estão na base do desenvolvimento da doença. Apesar de numerosos compostos terem já sido testados em ensaios clínicos, … Continuar a ler

Anunciados resultados de novo ensaio clínico com células estaminais da medula óssea para tratar Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA)

A empresa BrainStorm Cell Therapeutics anunciou recentemente os resultados de um ensaio clínico desenvolvido nos EUA para testar a utilização de células mesenquimais de medula óssea autóloga (dos próprios), em doentes com Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA). Em Janeiro apresentámos os resultados de dois ensaios clínicos que envolviam a utilização de células estaminais mesenquimais produtoras de fatores neurotróficos (células NurOwn), obtidas a partir de células mesenquimais de medula óssea autóloga, para o tratamento de ELA. Estes ensaios clínicos tinham sido desenvolvidos em Israel, numa parceria entre a empresa BrainStorm Cell Therapeutics e a organização médica Hadassad. Os resultados publicados demonstravam que a infusão de células NurOwn era um procedimento seguro e bem tolerado e sugeriam potencial eficácia.   Células estaminais mesenquimais modificadas (NurOwn) com resultados positivos em … Continuar a ler

Células estaminais da medula óssea no tratamento da Esclerose Lateral Amiotrófica – Resultados de dois ensaios clínicos

Foram recentemente publicados na revista JAMA Neurology os resultados de dois ensaios clínicos, de fase 1/2 e fase 2a, que envolvem a utilização de células estaminais mesenquimais para o tratamento de Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA).   A esclerose lateral amiotrófica (ELA), também designada de Doença de Lou Gehrig, é uma doença neurodegenerativa progressiva. Nesta doença os neurónios motores morrem precocemente, deixando de enviar mensagens aos músculos, que vão deixando de funcionar. Os doentes vão por isso perdendo a mobilidade, a capacidade de falar e de comer, até que, eventualmente, os músculos que controlam a respiração deixam de funcionar. A insuficiência respiratória é a principal causa de morte nestes doentes, sendo a esperança média de vida de 2 a 5 anos. A ELA afeta cerca de … Continuar a ler