Pode a nossa gordura ser aproveitada para o tratamento de algumas doenças?

Neste momento, há cerca de 300 ensaios clínicos registados cujo objetivo é testar a utilização do tecido adiposo (gordura) extraído do corpo humano em aplicações de medicina regenerativa. Esta abordagem inovadora tem sido investigada para doenças que, até à data, apresentam estratégias terapêuticas insuficientes, nomeadamente doenças musculoesqueléticas, cardiovasculares e autoimunes. A gordura é recolhida de forma simples e minimamente invasiva, durante um procedimento de lipoaspiração ou lipoescultura, sendo posteriormente processada em laboratório, onde poderá passar por um processo de expansão – ou multiplicação – celular. Depois do processamento laboratorial, é possível criopreservar (congelar a temperaturas muito baixas) o produto obtido, para que possa estar disponível para posterior utilização. Neste tipo de terapia, ainda em contexto experimental, as células do tecido adiposo isoladas são introduzidas no … Continuar a ler

Células estaminais do tecido adiposo no tratamento da Doença de Alzheimer

A doença de Alzheimer é a principal causa de demência a nível mundial, estimando-se que haja mais de 28 milhões de pessoas a viver com esta doença. Em Portugal, pensa-se que atinja mais de 120 mil pessoas, número que poderá ascender a 200 mil já em 2037. A doença de Alzheimer é causada pela acumulação das proteínas tau e beta amiloide no cérebro, resultando na morte de células cerebrais e, consequentemente, em declínio cognitivo progressivo, atualmente irreversível. Os sintomas incluem perda de memória e alterações na capacidade de concentração e aprendizagem. Atualmente, os tratamentos disponíveis para gerir a doença são incapazes de impedir a sua progressão, visando fundamentalmente melhorar os sintomas. Desta forma, é de extrema importância encontrar soluções terapêuticas capazes de prevenir e tratar … Continuar a ler