Jovem com queimaduras graves tratado com sucesso usando células estaminais

No Canadá, um jovem de cerca de 25 anos foi tratado com células estaminais, após ter sofrido queimaduras graves em 70% do corpo, durante um incêndio doméstico. O tratamento foi bem‑sucedido, com encerramento completo de todas as feridas. Apesar de há mais de 30 anos se investigar a utilização de células cultivadas em laboratório para o tratamento de queimaduras graves, a utilização de células estaminais neste contexto constitui ainda um desafio e uma área de intensa investigação científica. Atualmente, as células estaminais mesenquimais do cordão umbilical estão a ser estudadas para potencial utilização terapêutica em queimaduras graves. Para além de serem obtidas de forma simples e não invasiva, estas células são facilmente mantidas em cultura em laboratório e, uma vez administradas, têm a capacidade de … Continuar a ler

Pele com glândulas sebáceas e folículos pilosos produzida em laboratório a partir de células estaminais

Foi recentemente publicado um artigo na revista Science Advances, no qual um grupo de investigadores demonstra ter transplantado com sucesso em ratinhos pele produzida em laboratório que possui glândulas sebáceas (glândulas responsáveis pela libertação de uma mistura de lípidos destinada a proteger, impermeabilizar e lubrificar a superfície da pele) e folículos pilosos (estrutura da pele responsável por produzir pelo). A pele forma uma barreira protetora entre o corpo e o ambiente externo, impedindo a saída de água e a entrada de micróbios e toxinas. Para além da função de barreira, a pele é também responsável pela regulação da temperatura corporal e pela libertação de resíduos. A reprodução de uma estrutura semelhante em laboratório, que possa ser utilizada para enxerto de pele em pessoas que sofreram … Continuar a ler