Sangue do cordão umbilical revela-se benéfico em bebés prematuros

Estima-se que nasçam cerca de 15 milhões de bebés prematuros por ano, em todo o mundo. Apesar da evolução dos cuidados neonatais, muitas são as complicações que podem advir de um nascimento prematuro, principalmente pelo compromisso do desenvolvimento dos diferentes órgãos. O cérebro e os pulmões são dois dos órgãos mais afetados, podendo alguns prematuros sofrer sequelas para toda a vida.  Pelas suas propriedades regenerativas, anti-inflamatórias e imunomoduladoras, o sangue do cordão umbilical está a ser investigado para a prevenção de complicações associadas ao nascimento prematuro. Num estudo piloto, que incluiu 31 bebés prematuros, verificou-se que os que receberam uma infusão com as células estaminais do seu sangue do cordão umbilical (infusão autóloga) precisaram de suporte respiratório apenas durante metade do tempo, comparativamente aos restantes.  … Continuar a ler

Células estaminais no tratamento de doenças pulmonares em bebés prematuros

Com os avanços dos cuidados neonatais, a sobrevivência de recém-nascidos muito prematuros tornou-se uma realidade. No entanto, estas crianças têm um elevado risco de desenvolver displasia broncopulmonar, uma grave doença pulmonar que é a principal causa de morte e diminuição da qualidade de vida nestas crianças. Em crianças muito prematuras, os pulmões ainda não estão completamente formados, sendo necessário ligar a criança a um ventilador artificial, o que pode resultar na inflamação dos pulmões, causando as lesões pulmonares que caracterizam a displasia broncopulmonar. Com o objectivo de prevenir esta patologia, um grupo de investigadores da Coreia realizou um ensaio clinico de fase I para testar se a utilização de terapia com células estaminais em crianças muito prematuras com elevado risco de desenvolver displasia broncopulmonar era … Continuar a ler