Células estaminais do sangue do cordão umbilical com potencial para o tratamento da doença de Alzheimer

A doença de Alzheimer é a forma mais comum de demência, afetando milhões de indivíduos em todo o mundo. A prevalência desta doença está a aumentar consideravelmente acreditando-se que poderá afetar mais de 100 milhões de pessoas em 2050. É uma doença neurodegenerativa (em que ocorre morte de neurónios) que provoca a perda progressiva e irreversível de várias funções cognitivas (memória, atenção, linguagem, entre outras), dificultando a realização das atividades diárias da pessoa afetada, e para a qual não existe cura. Alguns estudos prévios em modelos animais de doença de Alzheimer demonstraram que as células estaminais de sangue do cordão umbilical (SCU) podem reverter os sintomas da doença, melhorando a capacidade cognitiva desses animais. No entanto é fundamental compreender como estas células atuam, verificando se … Continuar a ler