Células estaminais do tecido do cordão umbilical diminuem lesão neurológica em paralisia cerebral

A paralisia cerebral resulta de uma lesão neurológica que acontece geralmente durante a gestação ou na altura do nascimento e está associada a um amplo conjunto de sintomas, desde limitações físicas praticamente impercetíveis até alterações profundas a nível cognitivo. Atualmente a paralisia cerebral afeta cerca de dois a três em cada 1.000 recém‑nascidos, não existindo ainda uma solução eficaz para o seu tratamento. Os resultados de vários trabalhos de investigação divulgados nos últimos anos sugerem que a utilização de células estaminais pode vir a constituir uma opção de tratamento para atenuar os sintomas da paralisia cerebral. Para além do sangue do cordão umbilical, que tem demonstrado resultados promissores em ensaios clínicos, com dezenas de crianças com paralisia cerebral já infundidas, também o tecido do cordão … Continuar a ler

Autorizado tratamento da Paralisia Cerebral e Autismo com Sangue do Cordão Umbilical nos EUA

O centro médico da Universidade de Duke, nos EUA, recebeu recentemente autorização da Food and Drug Administration (FDA) para tratar crianças diagnosticadas com várias doenças neurológicas utilizando sangue do cordão umbilical autólogo (do próprio) ou de um irmão compatível. Esta autorização surge no seguimento de vários ensaios clínicos realizados na Universidade de Duke, que demonstraram que o tratamento com sangue do cordão umbilical é seguro e pode ter efeitos benéficos em crianças com vários tipos de doenças neurológicas, como paralisia cerebral, Perturbações do Espetro do Autismo, hidrocefalia, apraxia da fala e situações de lesão cerebral por anóxia ou hipóxia-isquémia, resultantes de um deficiente fornecimento de oxigénio ao cérebro. Na tentativa de encontrar uma solução terapêutica para estes doentes, investigadores da Universidade de Duke têm trabalhado … Continuar a ler

Sangue do Cordão Umbilical melhora Capacidades Motoras em Crianças com Paralisia Cerebral

A paralisia cerebral é a perturbação motora mais prevalente da infância, afetando dois a três em cada 1.000 recém-nascidos. A paralisia cerebral resulta geralmente de uma lesão cerebral in utero ou perinatal, como uma lesão hipóxica, hemorragia ou acidente vascular cerebral. As crianças afetadas podem apresentar diferentes graus de deficiências funcionais, que vão de limitações ligeiras das capacidades motoras avançadas até automobilidade severamente limitada, resultando em incapacidade de autonomia e independência. Em modelos animais de lesão cerebral isquémica e paralisia cerebral a administração de células do sangue do cordão umbilical foi capaz de melhorar a função motora. Os resultados destes estudos sugerem que as células do sangue do cordão umbilical sinalizam células endógenas a promover o processo de reparação. Assim, alguns investigadores colocaram a hipótese … Continuar a ler

Transplante de Sangue do Cordão Umbilical entre irmãs para o tratamento de Leucemia Linfoblástica Aguda

Elham, uma menina iraniana de 12 anos, foi diagnosticada em 2014 com leucemia linfoblástica aguda (LLA), um tipo de cancro que se caracteriza pela produção excessiva de glóbulos brancos imaturos, interferindo com as funções vitais do organismo. Por altura do diagnóstico, a mãe de Elham descobriu que estava grávida de uma menina, Fatima, que viria a ser a chave para o sucesso do tratamento da irmã mais velha. Atualmente, o sangue do cordão umbilical é utilizado para tratar mais de 80 doenças, nomeadamente leucemias, linfomas, anemias, hemoglobinopatias e imunodeficiências congénitas. Tal como a medula óssea, o sangue do cordão umbilical pode ser utilizado em transplantes hematopoiéticos para reconstituir o sistema sanguíneo e imunitário destes doentes. O maior entrave à realização de transplantes hematopoiéticos é encontrar … Continuar a ler

Produção de Glóbulos Vermelhos a partir de Sangue do Cordão Umbilical

As transfusões de sangue ou componentes sanguíneos, como concentrados de eritrócitos (glóbulos vermelhos), estão indicadas para o tratamento de doentes em caso de anemia grave, hemorragia grave, hemoglobinopatias ou complicações de qualquer cirurgia. Dados da Organização Mundial de Saúde revelam que são feitas, todos os anos, cerca de 108 milhões de doações de sangue a nível mundial. No entanto, com o decréscimo da taxa de natalidade, o número de dadores elegíveis está também gradualmente a diminuir. Prevê-se que em 2050 o número de unidades de sangue disponíveis seja insuficiente relativamente à procura. A produção in vitro de glóbulos vermelhos a partir de células estaminais tem sido considerada como uma opção para ultrapassar este problema no futuro. A acessibilidade, bem como a elevada concentração de células … Continuar a ler

História da Utilização do Sangue do Cordão Umbilical

A existência de células estaminais hematopoiéticas no sangue do cordão umbilical foi descrita pela primeira vez em 1974. Em 1988, uma equipa multidisciplinar realiza, em Paris, o primeiro transplante com sangue do cordão umbilical, para tratar uma criança com anemia de Fanconi. Numa viagem ao passado, a Dra. Joanne Kurtzberg, prestigiada médica hemato-oncologista especialista em transplantação com sangue do cordão umbilical, conta, num artigo publicado recentemente, um pouco do seu percurso e a sua visão da história e do futuro do sangue do cordão umbilical. “O Dr. Broxmeyer transportou a amostra congelada num recipiente de transporte refrigerado – um lugar no avião para ele, outro para as células do cordão – e chegou no dia do transplante”, relembra a Dr.ª Kurtzberg, referindo-se à forma como … Continuar a ler

Potencial do Sangue do Cordão Umbilical no tratamento de Esclerose Lateral Amiotrófica

A Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) é uma doença neurodegenerativa muito grave causada pela degeneração progressiva dos neurónios que transmitem os sinais necessários à contração muscular (neurónios motores). Os doentes com ELA, à medida que a neurodegeneração avança, vão perdendo força muscular e eventualmente deixam de conseguir manter as suas funções vitais. A insuficiência respiratória é a principal causa de morte nestes doentes, que têm uma esperança média de vida de apenas 3 a 5 anos após o início do desenvolvimento da doença. As causas que levam ao aparecimento de ELA, que afeta 450.000 indivíduos em todo o mundo, são ainda desconhecidas, devido à complexidade de fatores que estão na base do desenvolvimento da doença. Apesar de numerosos compostos terem já sido testados em ensaios clínicos, … Continuar a ler

Proteína presente no Sangue do Cordão Umbilical tem efeitos positivos na memória e capacidade de aprendizagem em modelo animal

As alterações neuronais causadas pelo envelhecimento levam a um declínio a nível cognitivo, que também está presente em algumas doenças neurológicas, como por exemplo na doença de Alzheimer. O hipocampo, uma região cerebral responsável sobretudo pela memória espacial e pela formação de novas memórias, é muito afetado pelo envelhecimento, observando-se uma diminuição progressiva da memória com a idade. Recentemente, investigadores da Universidade de Stanford, nos EUA, publicaram um artigo científico na revista Nature, que anuncia a identificação de uma proteína capaz de melhorar a memória e a capacidade de aprendizagem de ratinhos em idade avançada. Esta proteína plasmática está presente em maior quantidade no sangue do cordão umbilical e a sua concentração no sangue periférico vai diminuindo ao longo da vida. Em estudos anteriores, este … Continuar a ler

Expansão de sangue do cordão umbilical diminui risco de infeção e tempo de hospitalização após transplante

O sangue do cordão umbilical é, atualmente, utilizado para o tratamento de várias patologias, nomeadamente doenças hemato-oncológicas, metabólicas, imunodeficiências, entre outras; constitui uma fonte de células estaminais alternativa à medula óssea com enorme potencial e permite aumentar o número de doentes que podem beneficiar de um transplante hematopoiético. A facilidade de colheita, a disponibilidade imediata para transplante e a presença de várias populações de células estaminais imaturas são algumas das características que tornam a utilização do sangue do cordão umbilical vantajosa no contexto da transplantação hematopoiética. Ainda assim, em determinadas circunstâncias, o número de células a transplantar torna-se uma limitação, principalmente em adultos de maior peso corporal. Nestes casos, o ideal é conseguir aumentar o número de células da unidade selecionada, antes do transplante. Para … Continuar a ler

Expansão de células do Sangue do Cordão Umbilical para tratamento da Diabetes Tipo 1

Estudos epidemiológicos sugerem que a incidência da diabetes tipo 1 tem vindo a aumentar, a nível mundial, havendo mais de 3 milhões de casos de diabetes tipo 1 só nos EUA. A diabetes tipo 1, geralmente diagnosticada em crianças e adolescentes, é uma doença autoimune, causada pela destruição das células β (beta) do pâncreas, produtoras de insulina. A insulina é uma hormona vital, que regula os níveis de glicose no sangue. O não tratamento da diabetes leva a consequências graves, podendo afetar todos os órgãos do corpo. Na diabetes tipo 1, existe um défice permanente de insulina, ficando os doentes permanentemente dependentes da administração de insulina exógena. Embora a administração de insulina promova a sobrevivência e bem‑estar dos doentes, permite apenas melhorar a sintomatologia, não … Continuar a ler