Células estaminais na prevenção de problemas neurológicos resultantes de radioterapia

Um estudo inovador, realizado em Espanha, demonstrou que é possível minimizar as lesões cerebrais provocadas pela radioterapia usando células estaminais mesenquimais do tecido adiposo (gordura). O intuito do estudo agora publicado, realizado em modelo animal, é encontrar uma solução para os doentes com tumores cerebrais que, após realizarem radioterapia para eliminação das células tumorais, acabam por sofrer danos neurológicos irreparáveis. Durante a última década, o desenvolvimento de tratamentos mais eficazes no combate ao cancro tem vindo a aumentar a esperança de vida dos doentes oncológicos. No entanto, estes tratamentos apresentam frequentemente efeitos secundários, que acabam por comprometer a qualidade de vida dos doentes de forma permanente. A radioterapia utilizada para erradicar tumores cerebrais provoca – através de vários mecanismos, entre os quais a inflamação e … Continuar a ler

É possível tratar osteoartrite do joelho com células estaminais?

Vários estudos publicados nos últimos anos demonstram que é possível melhorar os sintomas de osteoartrite (habitualmente designada apenas por artrite) do joelho, através da injeção local de células estaminais mesenquimais (MSC, Mesenchymal Stem Cells). Estima-se que, em todo o mundo, cerca de 10% dos homens e 18% das mulheres com idade superior a 60 anos sofram de osteoartrite. A osteoartrite caracteriza-se pela degeneração da cartilagem, associada a um processo inflamatório, originando sintomas como dor, inchaço e rigidez. Os tratamentos atualmente existentes para melhorar a sintomatologia e atrasar a progressão da doença incluem fármacos anti-inflamatórios e injeções de ácido hialurónico. Têm sido investigadas outras abordagens terapêuticas potencialmente mais eficazes em limitar a degeneração da cartilagem afetada por osteoartrite, e que ao mesmo tempo promovam a sua … Continuar a ler

Segurança e Eficácia de Células Estaminais do Tecido do Cordão Umbilical em Doentes com Colite Ulcerosa – Resultados de um Ensaio Clínico

A colite ulcerosa é uma doença crónica em que o intestino grosso inflama e ulcera, provocando diarreia com sangue, cólicas e febre. A sua causa é desconhecida, mas podem contribuir para esta perturbação fatores como a hereditariedade e uma resposta imune intestinal exacerbada. Atualmente não existe cura para a colite ulcerosa e os tratamentos disponíveis permitem apenas melhorar as queixas e manter os doentes sem sintomas durante longos períodos de tempo, existindo uma necessidade urgente de opções terapêuticas para curar esta doença inflamatória do intestino. Pelo efeito imunomodulador e capacidade de reparação de tecidos, as MSC podem constituir opção para tratar a colite ulcerosa As células estaminais mesenquimais (MSC) podem ser isoladas a partir do tecido do cordão umbilical e de outros tecidos (medula óssea, … Continuar a ler

Obtenção de cartilagem com ação anti-inflamatória a partir de células estaminais do tecido adiposo

Foi recentemente publicado um artigo na revista Proceedings of the National Academy of Sciences, no qual um grupo de investigadores demonstra ter obtido em laboratório implantes de cartilagem com potencial para tratar articulações degradadas em doentes com osteoartrite da anca, utilizando células estaminais do tecido adiposo.   Técnicas de bioengenharia permitem obter implantes de cartilagem à medida do doente A anca é uma das articulações mais utilizadas no nosso corpo, sendo por isso frequente o surgimento de lesões e problemas degenerativos. Quando as dores e a limitação do movimento desta articulação comprometem seriamente a qualidade de vida do doente, é realizada uma artoplastia de substituição da anca (cirurgia em que a articulação da anca é substituída por uma prótese artificial). Em Portugal, são realizadas anualmente … Continuar a ler

Células estaminais no tratamento de fístulas associadas à doença de Crohn – resultados intermédios de um ensaio clínico de fase 3

A TiGenix (empresa biofarmacêutica sediada na Bélgica e em Espanha) anunciou recentemente alguns resultados do ensaio clínico de fase 3 que pretende avaliar a segurança e eficácia do Cx601 no tratamento de fístulas complexas associadas à doença de Crohn, num grupo alargado de doentes. A Doença de Crohn é uma doença inflamatória crónica do intestino, que surge com mais frequência entre os 16 e os 40 anos, podendo no entanto afetar qualquer grupo etário. Estima-se que em Portugal, a prevalência desta doença seja de 73 por 100 000 habitantes. As fístulas perianais são umas das complicações que surgem em cerca de 38% dos casos de doença de Crohn, comprometendo a qualidade de vida destes doentes. Estas fístulas resultam da extensão de úlceras através da parede … Continuar a ler

Tecido adiposo autólogo eficaz no tratamento da osteoartrite

A osteoartrite ou osteoartrose (OA) é a doença articular mais comum, afetando 10-15 % da população mundial, com uma incidência superior a 60% nos homens e a 70% nas mulheres com mais de 65 anos de idade. Esta doença degenerativa das articulações causa dor e incapacidade física, sendo a principal responsável pelo absentismo laboral após os 50 anos de idade. A idade é o principal fator de risco da osteoartrite, sendo por isso previsível que, dado o envelhecimento da população, haja um aumento significativo na incidência desta doença nas próximas décadas. Neste contexto um grupo de investigadores desenvolveu um estudo com o objetivo de avaliar a eficácia da utilização de células estaminais isoladas do tecido adiposo autólogo (do próprio) em doentes com osteoartrite. Este estudo … Continuar a ler