Células estaminais multiplicadas em laboratório transplantadas com sucesso

Trinta e seis doentes foram transplantados com sangue do cordão umbilical expandido em laboratório para tratar doenças hemato-oncológicas, com resultados positivos. Nos últimos 30 anos, o sangue do cordão umbilical tem permitido que doentes com imunodeficiências, doenças metabólicas e doenças do sangue que necessitam de um transplante hematopoiético (transplante de células estaminais hematopoiéticas, i.e., capazes de originar células do sangue) e não têm dador de medula óssea compatível possam ter uma hipótese de cura. O maior desafio na área da transplantação com sangue do cordão umbilical é o tratamento de doentes com maior peso corporal, que tem sido ultrapassado usando duas unidades de sangue do cordão umbilical, quando necessário. No entanto, esta modalidade de tratamento está associada a custos e tempos de recuperação superiores. Por … Continuar a ler

Transplante de Sangue do Cordão Umbilical entre irmãos cura Anemia Falciforme

Uma criança de oito anos com anemia falciforme foi curada após transplante hematopoiético com a amostra de sangue do cordão umbilical do seu irmão mais novo, que tinha sido guardada num banco familiar. A anemia falciforme é uma doença hereditária que afeta a forma dos glóbulos vermelhos. Os glóbulos vermelhos normais e saudáveis têm forma circular em disco, enquanto os glóbulos vermelhos dos doentes com anemia falciforme têm forma de foice ou de crescente. Os glóbulos vermelhos em forma de foice tendem a unir-se em agregados, provocando bloqueio em vasos sanguíneos de pequeno calibre (capilares). O bloqueio dos capilares reduz o fluxo sanguíneo aos tecidos e pode conduzir a crises de dor, infeções, lesões no baço, nos rins, no cérebro, nos ossos e noutros órgãos … Continuar a ler

Expansão de sangue do cordão umbilical diminui risco de infeção e tempo de hospitalização após transplante

O sangue do cordão umbilical é, atualmente, utilizado para o tratamento de várias patologias, nomeadamente doenças hemato-oncológicas, metabólicas, imunodeficiências, entre outras; constitui uma fonte de células estaminais alternativa à medula óssea com enorme potencial e permite aumentar o número de doentes que podem beneficiar de um transplante hematopoiético. A facilidade de colheita, a disponibilidade imediata para transplante e a presença de várias populações de células estaminais imaturas são algumas das características que tornam a utilização do sangue do cordão umbilical vantajosa no contexto da transplantação hematopoiética. Ainda assim, em determinadas circunstâncias, o número de células a transplantar torna-se uma limitação, principalmente em adultos de maior peso corporal. Nestes casos, o ideal é conseguir aumentar o número de células da unidade selecionada, antes do transplante. Para … Continuar a ler