Transplante de células estaminais protege ossos nos doentes com lúpus

O lúpus eritematoso sistémico, mais conhecido como lúpus, é uma doença autoimune que afeta principalmente a pele, as articulações, os rins e o cérebro, podendo no entanto afetar outros órgãos. Os doentes com lúpus sofrem de fadiga, dores nas articulações e edemas, apresentado ainda um risco marcadamente aumentado de desenvolver osteoporose, como consequência do tratamento com fármacos imunossupressores. Ensaios clínicos têm demonstrado que o transplante de células estaminais mesenquimais pode melhorar consideravelmente a condição destes doentes ajudando a reduzir o risco de osteoporose, não tendo ainda esclarecido o mecanismo através do qual este tratamento funciona.

Recentemente, recorrendo a um modelo animal de lúpus, investigadores descobriram um mecanismo através do qual os transplantes de células estaminais podem ajudar a preservar os ossos de doentes com lúpus. Num artigo publicado na revista Cell Metabolism, os investigadores mostram que as células transplantadas proporcionam uma fonte de uma proteína chave, designada Fas, que melhora a função das células estaminais da medula óssea dos doentes.

Num modelo animal de lúpus, a função das células estaminais mesenquimais formadoras de osso foi resgatada através do transplante de células estaminais saudáveis, tendo-se observado que uma única injeção de células estaminais consegue melhorar a sua condição por muito mais tempo do que seria de esperar. Em regra, ratinhos com lúpus têm células estaminais mesenquimais da medula óssea que não se diferenciam normalmente, tendo por isso uma capacidade significativamente reduzida para produzir osso novo. Uma infusão de células estaminais inverteu parcialmente esta anomalia, tendo o efeito sido mantido até 12 semanas após o transplante. A investigação levada a cabo permitiu perceber que após uma infusão de células estaminais de um dador saudável, as células doadas segregaram microvesículas contendo versões normais da proteína Fas que podem ser utilizadas e reutilizadas pelas células doentes, restaurando a sua capacidade de autorrenovação e diferenciação e promovendo a formação de novo osso.

Este trabalho tem implicações para potenciais estratégias terapêuticas para o lúpus, bem como outras doenças para as quais o transplante de células estaminais tem mostrado resultados promissores.

Referência:

MSC Transplantation Improves Osteopenia via Epigenetic Regulation of Notch Signaling in Lupus, Liu S, Liu D, Chen C, Hamamura K, Moshaverinia A, Yang R, Liu Y, Jin Y, Shi S. Cell Metab. 2015 Oct 6;22 (4):606-18. doi: 10.1016/j.cmet.2015.08.018. Epub 2015 Sep 10.