Crioestaminal inaugura Unidade de Produção de Medicamentos de Terapia Celular

A Crioestaminal, primeiro banco no serviço de criopreservação de células estaminais em Portugal, no próximo dia 19 de junho, pelas 16h, inaugura a sua nova unidade de produção de medicamentos de terapia celular, situada no Biocant Park, em Cantanhede. A inauguração contará com a presença da Ex.ª Senhora Ministra da Coesão Territorial, Professora Doutora Ana Abrunhosa.

Esta nova infraestrutura, com uma área de 150 metros quadrados e que representa um investimento de 1 milhão de euros, permitirá a produção de medicamentos para ensaios clínicos e terapias experimentais em diversas áreas da Medicina, e abre a possibilidade de integrar consórcios internacionais na área das terapias celulares. O investimento neste projeto já permitiu o desenvolvimento de um medicamento experimental à base de células estaminais para tratar doentes com COVID-19 em situação mais grave.

Esta nova unidade de produção permitirá numa primeira fase a produção de medicamentos experimentais para doenças como AVC, Doenças Autoimunes e COVID-19 e pretende tornar-se uma referência na Europa. Esta aposta surge na sequência de projetos anteriormente desenvolvidos em parceria com universidades portuguesas, dos quais já resultaram quatro patentes para novas aplicações – na área do cancro, cardiovascular ou pé diabético.

Nota: A cerimónia de inauguração cumpre todas as recomendações e medidas de prevenção da COVID-19.

 

Sobre a Crioestaminal

A Crioestaminal, fundada em 2003, foi pioneira na criopreservação de células estaminais em Portugal, sendo o maior banco da Península Ibérica e integrando atualmente o maior grupo europeu da área. Sediada no Biocant Park – o maior parque de Biotecnologia português – emprega mais de 80 colaboradores altamente qualificados sobretudo nas áreas da ciência da vida.

O grupo que integra tem mais de 400 mil amostras recolhidas e criopreservadas desde a sua fundação, tendo ainda o maior número de amostras resgatadas e transplantes realizados, com 74 utilizações de amostras de sangue do cordão umbilical, 10 das quais em crianças portuguesas. Promove um trabalho de referência na terapêutica com células estaminais, com quatro patentes internacionais registadas e vários projetos de investigação em curso. Investe, anualmente, cerca de 10% do seu volume de negócios em Investigação & Desenvolvimento.