Tratamento da COVID-19 com células estaminais alcança resultados favoráveis em ensaio clínico

Mais de nove meses após o registo dos primeiros casos de infeção por SARS-CoV-2, a COVID-19 continua a não dar tréguas, tendo já ultrapassado um milhão de mortes, de entre os mais de 33 milhões de casos registados. Apesar de um número significativo de infetados permanecer assintomático ou apresentar apenas sintomas ligeiros, muitos desenvolvem doença grave, que se manifesta com insuficiência respiratória e cardíaca, frequentemente acompanhada de uma sobreativação do sistema imunitário – designada tempestade de citocinas –, com elevação dos níveis de moléculas pro-inflamatórias. Esta reação à infeção por SARS-CoV-2 é muito prejudicial e pode provocar a morte ou deixar sequelas graves a longo-prazo. É, por isso, urgente encontrar soluções eficazes para controlar a atividade do sistema imunitário destes doentes. Uma das abordagens avançadas … Continuar a ler

Células do sangue do cordão umbilical benéficas em doentes com COVID-19

Desde o final de 2019 que o mundo se vê a braços com a tarefa hercúlea de travar a evolução da COVID-19 e, apesar dos esforços de contenção por parte das autoridades e da intensa investigação científica nesta área, a pandemia não parece ter um fim à vista. Nos últimos meses, começaram a surgir evidências de que um pequeno conjunto de medicamentos já existentes pode ter efeito na redução da mortalidade em doentes com COVID-19. Para além de medicamentos, outras abordagens de tratamento, baseadas na administração de células, estão a ser testadas para o tratamento destes doentes. É atualmente consensual que a COVID-19 pode provocar uma “tempestade de citocinas”, decorrente da produção exagerada de moléculas pró‑inflamatórias, podendo causar síndrome de dificuldade respiratória aguda (ARDS, do … Continuar a ler

Terapia com células estaminais mesenquimais em avaliação para o tratamento de COVID-19

A COVID-19, doença provocada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2), primeiramente detetada na China em dezembro de 2019, foi, em março deste ano, classificada como pandemia pela Organização Mundial de Saúde. Se, por um lado, este sério problema de saúde pública obrigou à mobilização de esforços de contenção por parte de entidades reguladoras, governos e, de uma forma geral, de toda a população, tem, por outro lado, gerado um esforço equivalente por parte da comunidade médica e científica, na procura de soluções para a sua prevenção e tratamento. Muito embora alguns doentes com COVID-19 apresentem apenas sintomas ligeiros, outros desenvolvem pneumonia, podendo o quadro evoluir, nos casos mais severos, para insuficiência respiratória grave, bem como falência de outros órgãos e conduzir, eventualmente, à morte. Para além das … Continuar a ler

Tratamento experimental com células estaminais com resultados promissores em doentes com COVID-19

Um estudo recentemente publicado na revista científica Aging and Disease, mostra que as células estaminais mesenquimais (MSCs, do inglês, Mesenchymal Stem Cells) têm potencial para tratar a COVID-19.  O novo coronavírus (COVID-19), que inicialmente causou um surto da doença em Wuhan, na China, em dezembro de 2019, já se espalhou pelo mundo inteiro, constituindo neste momento uma ameaça global. De acordo com o conhecimento atual, em cerca de 80% dos casos os sintomas desta doença podem ser ligeiros, mas em alguns doentes, a gravidade da COVID-19 pode mesmo conduzir à morte. Um dos mecanismos mais importantes subjacentes à deterioração dos doentes com COVID-19 é a tempestade de citocinas. Tempestade de citocinas é a designação dada à reação imunológica exacerbada que ocorre após um acentuado aumento … Continuar a ler