Jovem com queimaduras graves tratado com sucesso usando células estaminais

No Canadá, um jovem de cerca de 25 anos foi tratado com células estaminais, após ter sofrido queimaduras graves em 70% do corpo, durante um incêndio doméstico. O tratamento foi bem‑sucedido, com encerramento completo de todas as feridas. Apesar de há mais de 30 anos se investigar a utilização de células cultivadas em laboratório para o tratamento de queimaduras graves, a utilização de células estaminais neste contexto constitui ainda um desafio e uma área de intensa investigação científica. Atualmente, as células estaminais mesenquimais do cordão umbilical estão a ser estudadas para potencial utilização terapêutica em queimaduras graves. Para além de serem obtidas de forma simples e não invasiva, estas células são facilmente mantidas em cultura em laboratório e, uma vez administradas, têm a capacidade de … Continuar a ler

Tratamento de queimaduras graves com recurso a células estaminais mesenquimais

As queimaduras são lesões muito frequentes que afetam, anualmente, milhões de pessoas. A sua extensão e profundidade determinam a severidade da lesão e o tipo de cuidados a ter a nível hospitalar. No caso de queimaduras profundas, a principal preocupação é o restabelecimento da barreira cutânea, para evitar desidratação e infeção por agentes patogénicos. Atualmente, é possível fazer enxertos de pele para cobrir as áreas lesadas e ajudar à regeneração dos tecidos, no entanto, se se tratar de uma região muito extensa, pode ser difícil cobrir toda a área. O Hospital Coromoto, em Maracaibo, na Venezuela, em colaboração com o Instituto Venezolano de Investigaciones Científicas, está a levar a cabo um projeto experimental para o tratamento de feridas resultantes de queimaduras graves, utilizando uma metodologia que … Continuar a ler