Transplante de Sangue do Cordão Umbilical entre irmãos cura Anemia Falciforme

Uma criança de oito anos com anemia falciforme foi curada após transplante hematopoiético com a amostra de sangue do cordão umbilical do seu irmão mais novo, que tinha sido guardada num banco familiar.

A anemia falciforme é uma doença hereditária que afeta a forma dos glóbulos vermelhos. Os glóbulos vermelhos normais e saudáveis têm forma circular em disco, enquanto os glóbulos vermelhos dos doentes com anemia falciforme têm forma de foice ou de crescente. Os glóbulos vermelhos em forma de foice tendem a unir-se em agregados, provocando bloqueio em vasos sanguíneos de pequeno calibre (capilares). O bloqueio dos capilares reduz o fluxo sanguíneo aos tecidos e pode conduzir a crises de dor, infeções, lesões no baço, nos rins, no cérebro, nos ossos e noutros órgãos e, eventualmente, derrame cerebral. Para além disso, estes glóbulos vermelhos não transportam oxigénio de forma eficiente, fazendo com que estes doentes apresentem anemia crónica, fadiga e falta de ar.

As crises características desta doença são tratadas com analgésicos e outras medidas de suporte, sendo as transfusões de sangue ocasionalmente necessárias. As vacinas contra infeções bacterianas, antibióticos profiláticos e o tratamento agressivo das infeções permitem prolongar a vida destes doentes.

O sangue do cordão umbilical pode ser usado para tratar anemia falciforme

A única cura para a anemia falciforme é através do transplante de células estaminais hematopoiéticas, como as encontradas no sangue do cordão umbilical. Na anemia falciforme, os transplantes de células estaminais são mais eficazes em crianças e adultos jovens. Para além disso, quando o dador de células estaminais é um irmão compatível, os resultados são extremamente positivos, com cerca de 90% de sobrevivência livre de doença. Após o sucesso dos transplantes de células estaminais, os doentes com anemia falciforme não apresentam sintomas e sua qualidade de vida melhora significativamente.

No início de 2017, os pais da criança a que esta notícia se refere tomaram a decisão de guardar o sangue do cordão umbilical do seu filho mais novo, na expectativa de este poder ser usado para tratar o filho doente. O transplante foi realizado em junho de 2017, nos EUA, no Centro Médico Hospitalar Infantil de Cincinnati, para onde a amostra de sangue do cordão umbilical foi enviada após testes detalhados, em conformidade com rigorosos critérios da AABB (American Association of Blood Banks) e da FDA (Food and Drug Administration). Quase um ano depois, este menino está completamente curado, vivendo uma vida saudável, livre de doença.

O sangue do cordão umbilical é considerado uma fonte de células estaminais alternativa à medula óssea, podendo ser usado no tratamento de diferentes tipos de leucemias, linfomas, hemoglobinopatias (nas quais se inclui a anemia falciforme), em imunodeficiências e doenças metabólicas, entre outras, contando atualmente com cerca de 80 indicações.

 

Referências:

https://parentsguidecordblood.org/en/news/hamads-story

https://www.msdmanuals.com/pt-pt/profissional/hematologia-e-oncologia/anemias-causadas-por-hem%C3%B3lise/anemia-falciforme