Blogue de Células Estaminais

Se procura uma opinião especializada e transparente sobre
as células estaminais, agora poderá seguir aqui o blogue da
Dra. Alexandra Machado, uma das mais conceituadas
especialistas em criopreservação de células estaminais
em Portugal.

Efeitos positivos da Administração de Células Estaminais a doentes com Lesões da Espinal Medula – resultados de um ensaio clínico

A maioria das lesões na espinal medula derivam de traumatismos ocorridos em acidentes de viação e podem resultar em paraplegia ou tetraplegia. São situações devastadoras para os doentes, com perda considerável de qualidade de vida. Um novo ensaio clínico realizado em Espanha revelou que a administração de células estaminais mesenquimais a estes doentes se traduz em melhorias na sua qualidade de vida. As lesões da espinal medula são um dos mais dramáticos problemas de saúde que alguém pode enfrentar, com consequências drásticas na qualidade de vida do indivíduo e a forma como este se relaciona consigo próprio, com os seus familiares e com a sociedade. A incidência destas lesões, a nível mundial, é de 12 a 58 casos por milhão de habitantes, sendo mais frequente … Continuar a ler

Células estaminais do cordão umbilical atenuam sintomas de Espondilite Anquilosante

A espondilite anquilosante (EA) é uma doença inflamatória crónica que afeta principalmente a coluna vertebral, levando à fusão das vértebras, com perda de mobilidade do doente. Pode também afetar outras articulações, por exemplo as sacroilíacas (anca) e os joelhos. Nos sintomas comuns incluem-se: dor na região lombar da coluna vertebral e na anca e rigidez matinal, ou seja, dificuldade em mover as articulações durante um período após acordar. A EA é uma doença comum, especialmente entre os caucasianos (0,5-1% da população) e aparece sobretudo em homens entre os 20 e os 30 anos de idade. Nas mulheres, é menos comum e apresenta geralmente uma evolução mais favorável. Desconhece-se ainda o mecanismo responsável pela EA. Os tratamentos convencionais incluem medicação com anti-inflamatórios não esteroides e têm sido … Continuar a ler

Transplante de Sangue do Cordão Umbilical entre irmãs para o tratamento de Leucemia Linfoblástica Aguda

Elham, uma menina iraniana de 12 anos, foi diagnosticada em 2014 com leucemia linfoblástica aguda (LLA), um tipo de cancro que se caracteriza pela produção excessiva de glóbulos brancos imaturos, interferindo com as funções vitais do organismo. Por altura do diagnóstico, a mãe de Elham descobriu que estava grávida de uma menina, Fatima, que viria a ser a chave para o sucesso do tratamento da irmã mais velha. Atualmente, o sangue do cordão umbilical é utilizado para tratar mais de 80 doenças, nomeadamente leucemias, linfomas, anemias, hemoglobinopatias e imunodeficiências congénitas. Tal como a medula óssea, o sangue do cordão umbilical pode ser utilizado em transplantes hematopoiéticos para reconstituir o sistema sanguíneo e imunitário destes doentes. O maior entrave à realização de transplantes hematopoiéticos é encontrar … Continuar a ler

Células do Sangue do Cordão Umbilical modificadas para localizar e eliminar células cancerígenas

Um grupo de investigadores do MD Anderson Cancer Center, da Universidade do Texas, publicou na revista Leukemia os resultados do seu mais recente trabalho sobre a utilização de células do sangue do cordão umbilical modificadas para tratar alguns tipos de linfomas e leucemias. Desde há algum tempo que se recorre à modificação de células do sistema imunitário no sentido de estas reconhecerem e eliminarem mais eficazmente células cancerígenas. Geralmente são recolhidas células T (um tipo de células do sistema imunitário) do doente, que são modificadas e depois reinfundidas no próprio após quimioterapia, ajudando na eliminação das células cancerígenas remanescentes. No entanto, esta metodologia está longe de ser a ideal, pois o doente tem que esperar algumas semanas até que as células modificadas estejam prontas para … Continuar a ler

Células do Sangue do Cordão Umbilical promovem revascularização em modelo de Doença Arterial Periférica

As doenças cardiovasculares continuam a ser uma das principais causas de morte, tanto nos EUA como em Portugal, com custos associados a rondar os 300 biliões de dólares só nos EUA. Esta área tem sido, por isso, alvo de intensa investigação científica, com o intuito de desenvolver novas terapias regenerativas para as várias doenças cardiovasculares. A doença arterial periférica (DAP) é uma doença cardiovascular que se caracteriza pela obstrução das artérias, geralmente dos membros inferiores, conduzindo a um deficiente fornecimento de oxigénio às células e eventual morte celular. A DAP pode causar dor e, nos casos mais severos, feridas ou mesmo gangrena, podendo levar à amputação de membros. O desenvolvimento de novas terapias celulares para melhorar a circulação sanguínea em doentes com DAP severa tem … Continuar a ler

Produção de Glóbulos Vermelhos a partir de Sangue do Cordão Umbilical

As transfusões de sangue ou componentes sanguíneos, como concentrados de eritrócitos (glóbulos vermelhos), estão indicadas para o tratamento de doentes em caso de anemia grave, hemorragia grave, hemoglobinopatias ou complicações de qualquer cirurgia. Dados da Organização Mundial de Saúde revelam que são feitas, todos os anos, cerca de 108 milhões de doações de sangue a nível mundial. No entanto, com o decréscimo da taxa de natalidade, o número de dadores elegíveis está também gradualmente a diminuir. Prevê-se que em 2050 o número de unidades de sangue disponíveis seja insuficiente relativamente à procura. A produção in vitro de glóbulos vermelhos a partir de células estaminais tem sido considerada como uma opção para ultrapassar este problema no futuro. A acessibilidade, bem como a elevada concentração de células … Continuar a ler

História da Utilização do Sangue do Cordão Umbilical

A existência de células estaminais hematopoiéticas no sangue do cordão umbilical foi descrita pela primeira vez em 1974. Em 1988, uma equipa multidisciplinar realiza, em Paris, o primeiro transplante com sangue do cordão umbilical, para tratar uma criança com anemia de Fanconi. Numa viagem ao passado, a Dra. Joanne Kurtzberg, prestigiada médica hemato-oncologista especialista em transplantação com sangue do cordão umbilical, conta, num artigo publicado recentemente, um pouco do seu percurso e a sua visão da história e do futuro do sangue do cordão umbilical. “O Dr. Broxmeyer transportou a amostra congelada num recipiente de transporte refrigerado – um lugar no avião para ele, outro para as células do cordão – e chegou no dia do transplante”, relembra a Dr.ª Kurtzberg, referindo-se à forma como … Continuar a ler

Células do Tecido do Cordão Umbilical no Tratamento de Púrpura Trombocitopénica Imune

Embora seja considerada uma doença autoimune de prognóstico geralmente favorável, alguns doentes com Púrpura Trombocitopénica Imune (PTI) não respondem aos tratamentos de primeira e segunda linha, ficando sujeitos à ocorrência de hemorragias graves. O potencial das células estaminais mesenquimais do tecido do cordão umbilical está a ser testado para o tratamento destes doentes. A PTI caracteriza-se por uma taxa anormalmente elevada de destruição das plaquetas (células sanguíneas responsáveis pela coagulação), que ocorre no baço. Os doentes com PTI apresentam trombocitopenia persistente (baixa contagem de plaquetas no sangue), tendo por isso maior tendência para a ocorrência de hemorragias. A PTI apresenta um espetro clínico alargado: desde um processo assintomático, sem necessidade de tratamento exigindo apenas vigilância do doente, ou pode tornar‑se numa situação crónica grave, com … Continuar a ler

Transplantação com Células Estaminais no tratamento de Esclerose Múltipla

A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença inflamatória crónica do sistema nervoso central (cérebro e espinal medula) que afeta cerca de 2.5 milhões de pessoas em todo o mundo. Manifesta-se geralmente no início da idade adulta, sendo que as mulheres têm uma probabilidade cerca de 3 vezes maior de desenvolver a doença. Trata-se de uma doença autoimune em que o sistema imunitário ataca as células do sistema nervoso central da própria pessoa, levando a um processo de neurodegeneração. Os sintomas típicos dos doentes com EM são perda de força muscular, rigidez, problemas com o andar e o equilíbrio e dor crónica. Estes doentes podem também manifestar fadiga, tonturas e problemas de visão. As opções terapêuticas convencionais são geralmente eficazes na redução da frequência e severidade … Continuar a ler

Potencial do Sangue do Cordão Umbilical no tratamento de Esclerose Lateral Amiotrófica

A Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) é uma doença neurodegenerativa muito grave causada pela degeneração progressiva dos neurónios que transmitem os sinais necessários à contração muscular (neurónios motores). Os doentes com ELA, à medida que a neurodegeneração avança, vão perdendo força muscular e eventualmente deixam de conseguir manter as suas funções vitais. A insuficiência respiratória é a principal causa de morte nestes doentes, que têm uma esperança média de vida de apenas 3 a 5 anos após o início do desenvolvimento da doença. As causas que levam ao aparecimento de ELA, que afeta 450.000 indivíduos em todo o mundo, são ainda desconhecidas, devido à complexidade de fatores que estão na base do desenvolvimento da doença. Apesar de numerosos compostos terem já sido testados em ensaios clínicos, … Continuar a ler

Live Chat