Blogue de Células Estaminais

Se procura uma opinião especializada e transparente sobre
as células estaminais, agora poderá seguir aqui o blogue da
Dra. Alexandra Machado, uma das mais conceituadas
especialistas em criopreservação de células estaminais
em Portugal.

Transplante de Sangue do Cordão Umbilical entre irmãos cura Anemia Falciforme

Uma criança de oito anos com anemia falciforme foi curada após transplante hematopoiético com a amostra de sangue do cordão umbilical do seu irmão mais novo, que tinha sido guardada num banco familiar. A anemia falciforme é uma doença hereditária que afeta a forma dos glóbulos vermelhos. Os glóbulos vermelhos normais e saudáveis têm forma circular em disco, enquanto os glóbulos vermelhos dos doentes com anemia falciforme têm forma de foice ou de crescente. Os glóbulos vermelhos em forma de foice tendem a unir-se em agregados, provocando bloqueio em vasos sanguíneos de pequeno calibre (capilares). O bloqueio dos capilares reduz o fluxo sanguíneo aos tecidos e pode conduzir a crises de dor, infeções, lesões no baço, nos rins, no cérebro, nos ossos e noutros órgãos … Continuar a ler

Tratamento inovador com células estaminais para Esclerose Múltipla

A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença autoimune de caráter inflamatório, em que o sistema imunitário progressivamente destrói os circuitos nervosos do cérebro e espinal medula. A EM não tem cura, tratando-se de uma doença crónica, que pode levar a graves problemas motores, sensoriais e cognitivos, chegando a tornar-se incapacitante se não for adequadamente tratada. Para diminuir a frequência dos surtos e abrandar a progressão da doença, são utilizados medicamentos, nomeadamente corticosteroides, no entanto, estes não são capazes de reparar as lesões neuronais sofridas. Uma nova estratégia a ser testada para o tratamento da EM é a administração de células estaminais mesenquimais (MSC, de Mesenchymal Stem Cells). O potencial das MSC para tratar esta doença advém das suas propriedades anti-inflamatórias e da sua capacidade para … Continuar a ler

Sangue do cordão umbilical melhora tratamento de Cirrose Hepática

Um novo estudo avaliou a possibilidade de utilizar células estaminais do sangue do cordão umbilical em combinação com terapêutica convencional para tratar cirrose hepática e concluiu que esta metodologia poderá vir a constituir uma mais-valia no tratamento desta doença. A cirrose hepática é uma doença crónica do fígado, que habitualmente progride nos primeiros 10-15 anos sem sintomas associados e pode levar a graves complicações de saúde. Está geralmente associada à ingestão excessiva de álcool ou a hepatites de origem viral e caracteriza-se pela morte das células do fígado, que são substituídas por tecido fibroso semelhante ao de uma cicatriz. A estrutura do órgão fica, desta forma, alterada, comprometendo a sua função. Através da melhoria do cuidado ao doente com cirrose hepática, a taxa de sobrevivência … Continuar a ler

Aprovado tratamento com células estaminais para complicações da Doença de Crohn

A Comissão Europeia aprovou, recentemente, a comercialização de um produto de terapia celular constituído por células estaminais do tecido adiposo expandidas em laboratório, denominado Alofisel, destinado ao tratamento de fístulas perianais em adultos com Doença de Crohn. Esta aprovação surge no seguimento de um parecer favorável da Agência Europeia do Medicamento, baseado nos resultados obtidos num ensaio clínico de fase III, que demonstrou a eficácia a longo-prazo desta nova terapêutica. A Doença de Crohn caracteriza-se pela inflamação crónica do trato gastrointestinal, levando ao aparecimento de sintomas como oclusão intestinal, diarreia e dor abdominal. Em Portugal, a sua incidência tem vindo a crescer nos últimos anos, estimando-se que afete 73 pessoas por cada 100.000 habitantes. Uma das complicações mais comuns da doença de Crohn é a … Continuar a ler

Aplicação de células estaminais nos ovários permite tratar Menopausa Precoce

Embora afete apenas 1% das mulheres com menos de 40 anos, a menopausa precoce é vivida intensamente pelas doentes que, desde novas, lidam com os sintomas e vêem-se impossibilitadas de engravidar. As novas estratégias desenvolvidas para restaurar a função ovárica nestas mulheres revelam-se promissoras. Falência Ovárica Prematura – O que é? A falência ovárica prematura, também conhecida como menopausa precoce, corresponde à perda de função ovárica em mulheres com menos de 40 anos e caracteriza-se pela ausência de menstruação e baixo nível de estrogénio no sangue. Embora esta doença afete apenas 1% da população feminina nesta faixa etária, acarreta, ainda assim, um impacto muito significativo na sua saúde e bem-estar. Quais as causas de Falência Ovárica Prematura? Vários fatores podem contribuir para o desenvolvimento desta … Continuar a ler

Sangue do cordão umbilical autólogo no tratamento do autismo

Atualmente, as Perturbações do Espetro do Autismo (PEA) afetam cerca de 60 em cada 10.000 crianças em todo o mundo e incluem um conjunto heterogéneo de disfunções de ordem neurológica, caracterizadas por alterações no normal desenvolvimento da criança, nomeadamente ao nível da comunicação, linguagem, comportamento e interação social. Pensa-se que os sintomas das PEA possam estar associados a uma falha na comunicação integrativa entre várias áreas do cérebro e o seu aparecimento se deve à conjugação de uma multiplicidade de fatores, relacionados com predisposição genética, exposição a determinados estímulos ambientais e desregulação imunológica. A incidência das PEA tem vindo a aumentar ao longo das últimas décadas e estima-se que, em Portugal, o autismo afete cerca de 1 em cada 1.000 crianças em idade escolar. Apesar … Continuar a ler

Novo tratamento para Lúpus Eritematoso Sistémico com células estaminais

O Lúpus Eritematoso Sistémico (LES) é uma doença autoimune caracterizada pela produção de anticorpos contra o próprio organismo (auto-anticorpos), que podem danificar vários órgãos, incluindo rins, pulmões e sistema nervoso. As suas manifestações clínicas diferem muito de doente para doente e dependem, em grande medida, dos órgãos afetados. Alguns dos sintomas mais comuns são fadiga, febre, dores nas articulações e o típico eritema malar, uma lesão cutânea na face que faz lembrar as asas de uma borboleta. O LES é uma doença rara que afeta cerca de 0,07% da população portuguesa, sobretudo mulheres em idade reprodutiva, e tem um impacto significativo na sua qualidade de vida. Pode apresentar-se como uma doença de evolução progressiva, com persistência constante dos sintomas ou, por outro lado, pode evoluir … Continuar a ler

Células estaminais em estudo para fortalecer o coração de crianças com cardiopatia congénita

Cerca de um em cada 100 bebés nasce com uma anomalia cardíaca congénita. Hoje em dia, é possível, em muitos casos, diagnosticar as cardiopatias congénitas antes do nascimento e preparar todo o plano de tratamentos e acompanhamento indispensáveis para melhorar a esperança de vida destas crianças. A síndrome da hipoplasia do coração esquerdo é uma cardiopatia congénita muito rara, em que o lado esquerdo do coração se encontra severamente subdesenvolvido. Caso não seja corrigido através de cirurgia, este problema é fatal, pois o coração não consegue bombear sangue de forma eficaz. O tratamento desta patologia tem evoluído muito desde os anos 80 e atualmente envolve 3 cirurgias efetuadas nos primeiros 3 anos de vida da criança. A primeira cirurgia é realizada nos primeiros dias de … Continuar a ler

Células estaminais do tecido do cordão umbilical no tratamento de osteoartrite

A osteoartrite é a patologia articular mais comum e caracteriza-se pela degradação progressiva da cartilagem das articulações afetadas, resultando em perda de mobilidade e função articular. A osteoartrite pode afetar várias articulações, nomeadamente das mãos, pés, coluna vertebral, ancas e joelhos. Os sintomas manifestados por estes doentes incluem dor nas articulações afetadas, rigidez e limitação dos movimentos. A osteoartrite é mais prevalente entre a população idosa e está associada a um grau significativo de incapacidade e diminuição da qualidade de vida. Apesar do aumento global na incidência da osteoartrite, não existem tratamentos farmacológicos ou cirúrgicos eficazes na recuperação da estrutura original da cartilagem danificada. Alguns estudos indicam que a utilização de células estaminais poderá vir a constituir uma estratégia para tratar esta doença. Foi já … Continuar a ler

Células estaminais do tecido do cordão umbilical diminuem lesão neurológica em paralisia cerebral

A paralisia cerebral resulta de uma lesão neurológica que acontece geralmente durante a gestação ou na altura do nascimento e está associada a um amplo conjunto de sintomas, desde limitações físicas praticamente impercetíveis até alterações profundas a nível cognitivo. Atualmente a paralisia cerebral afeta cerca de dois a três em cada 1.000 recém‑nascidos, não existindo ainda uma solução eficaz para o seu tratamento. Os resultados de vários trabalhos de investigação divulgados nos últimos anos sugerem que a utilização de células estaminais pode vir a constituir uma opção de tratamento para atenuar os sintomas da paralisia cerebral. Para além do sangue do cordão umbilical, que tem demonstrado resultados promissores em ensaios clínicos, com dezenas de crianças com paralisia cerebral já infundidas, também o tecido do cordão … Continuar a ler

Live Chat